Jogando: Donkey Kong Country Returns 3D

Um dos melhores jogos do Wii ganha uma versão para o 3DS e todo mundo só consegue dizer “Ah! Mas é o mesmo jogo do Wii!”.

É um dos melhores DKs de todos os tempos e é uma versão melhorada de um dos melhores games já lançados para uma plataforma de mesa…

… em um portátil…

… em 3D!

Porque diabos eu não consigo ver um simples defeito nisso.

De qualquer forma, quando os dinossauros andavam pela terra e a guerra dos 16 bits estava no auge, quando o mega drive tinha o Sega cd e o Sega 32-X e os videogames de 32 bits estavam ali, virando o quarteirão, a Nintendo decidiu mostrar porque não estava preocupada em trazer ao mundo um videogame de 32 bits. Ela mostrou esse comercial:

Yes… Yes… Yes… eram os melhores gráficos que nós já tínhamos visto e estavam lá, para quem quisesse ver, em um super nes perto de você. E não só o gráfico de Donkey Kong Country era majestoso, mas os cenários eram super bem criados, a animação (seja dos inimigos, seja dos kongs, seja dos animais) era super bem feita e a música era animal.

Pouco mais de 15 anos depois, pela mão da Retro Studios, os mesmos anjos que trouxeram ao mundo a série Metroid Prime (ou seja, basicamente reinvetaram Samus para uma nova geração), reinventam para o mundo a dupla de Super macacos… and boy oh boy… que toque de Midas que a Retro tem. Donkey Kong Country Returns 3D, ou DKCR, é como sentar num dia de chuva, na casa da mãe, para comer bolinho de chuva ou klustule. Tem gosto de passado. Tem gosto das coisas boas que não voltam mais. Tem gosto de querer mais e mais.

A retro seguiu o caminho certinho e não se deixou intimidar pelos galhofeiros no caminho: É um side scroller de visão lateral, é difícil como o inferno (embora a versão do 3DS tenha o novice mode), é instigante, tem porcentagem de jogo completo e itens adquiridos e o controle é perfeito. Mas vamos por partes…

 

Graficamente o jogo é incrível. Não… não é tão bom quanto na versão do Wii, que roda a 60 fps e tem efeitos de luz e sombra mais sofisticados, mas é muito muito bonito. E faz um uso animal do 3D, com novos objetos colocados em cenários conhecidos (armadilhas que vem do fundo e se chocam com a tela, barris que vem rolando do fundo, etc…) e novas fases inteiramente desenhadas em volta disso. 3 ou 4 planos em paralaxe, com velocidades de movimento diferentes, e que por vezes fazem parte das ações de jogo, como quando os kongs tem que usar um barril para ir para um plano de fundo de tela e passar por trás de um penhasco, ou quando um chefão corre em um plano de fundo atirando no plano frontal da tela. Animações perfeitas, tanto dos inimigos quanto dos Kongs, juntam-se a um estilo de arte inovador, mas inumanamente simples e bem feito. Assim como o DKC original, daqui a 10 anos, esse game ainda vai ser lindo.

Ao lado do novo motor gráfico utilizado a Retro utilizou um sistema de física extremamente funcional. Água vai e volta com fluidez e em tempo real, objetos e colunas atingindos resistem ao impacto, tombam, caem ou se espatifam. O Kongs tem peso, assim como seus inimigos, e os barris, com diferenças de distâncias quando sãoarremessados, etc… Uma das fases que a nova física possibilitou é de tirar o fôlego, quando os Kongs devem passar por uma área carregada de meias-luas de terreno presas a tiras de couro que rodam e se movem conforme o momentum com o qual você atinge elas. Lindo e extremamente excitante.

O som do jogo é carregado de melodias bem feitas e extremamente carismáticas, você vai se pegar cantarolando elas em dois tempos. Os sons são bem feitos, mas nada que vá mudar o valor do pacote. O controle, no entanto beira a perfeição e torna muito mais simples você vencer a dificuldade insana do game. Por que? Porque como dizia nosso grande mestre e guru, Fabio Ortolan, vulgo Mahou, “Quando você erra, é culpa sua… e só sua!” ; se você errou o salto, não foi o controle, se você errou um barril não foi o controle… FOI você !!! E você vai querer tentar de novo e de novo.

Dificuldade perfeita, controle perfeito, gráficos excelentes e som encantador. O que diabos você está esperando… corra agora mesmo pegar o seu.

Anúncios

O dia chegou! O Xbox One está entre nós!

Não… o nome dele não é XBOX Infinity, Xbox 8 ou Xbox 720! Muito menos Durango ou  Durandal! O nome dele é XBOX One, porque ele é uma central tudo em um, e ele é sexy como o pecado!

TRAILER AQUI!

PS: Como eu estou enviando isso do meu cel (enquanto espero num serviço de saúde) alguns dos posts podem conter erros de português ou links ao invés de vídeos embed. Isso será corrigido… eventualmente!

xbhd

A Nintendo não terá apresentação na E3… ela vai levar os games aos gamers!

Essa ideia é fantástica! Nos últimos anos a E3 é fechada a imprensa especializada, com apenas segmentos dela abertos ao público. A Nintendo quer levar seus games para o público, com a comunicação de seus lançamentos e futuros produtos feitos de forma mais direta, pelos vídeos Nintendo Direct (que podem ser assistidos nos consoles e portáteis ou na Internet) e os games… bem… os games na sua mão! É isso mesmo!

Enquanto o resto das empresas vai manter seus novos games em boots na E3 a Nintendo vai levar TODOS, eu disse TODOS, os produtos em demonstração (Novo Zelda, Novo Mario, Wonderful 101, Luigi U, etc…) para as redes GameStop pertinho dos americanos e japoneses.  Dessa forma o cidadão médio, que normalmente só veria o protótipo em vídeo, vai poder testar, em mãos, o que vai chegar para ele em poucos meses (ou anos).

Se isso não roubar o trovão da E3… eu não sei o que poderia fazê-lo. Deixem suas opiniões aí embaixo!

Well played Nintendo! Well Played!

Super Luigi U – Como é que é?

Sim… é isso mesmo que você ouviu! Super Mario Bros U vai ganhar um DLC/Game Paralelo estreando o sempre incrivelmente secundário Luigi. Funciona assim: Se você já tem Super Mario Bros U, poderá pegar o DLC com fases novas, mapa e história modificado, através da Nintendo Network – por um valor mais camarada (embora ainda não confirmado) ENQUANTO QUE se não tiver Super Mario Bros U (shame on you!) e estiver interessado em ter apenas a versão com o irmão menos conhecido dos Marios (Mario Mario e Luigi Mario) poderá adquirir o game em versão física, como um game normal, por um preço premium (a Nintendo ainda não confirmou mas informações da GameStop sugerem US$ 29,99).

Luigi

Eu NUNCA esperava ver isso na vida… parece que esse, realmente, é o ano do Luigi!

Scribblenauts Unmasked a caminho do Wii U

Não bastasse Scribblenauts ser uma das coisas mais legais já criadas na terra, a WB games traz uma versão onde você irá auxiliar os heróis, ou vilões, da DC a salvar o dia, ou tocar o puteiro, respectivamente. O novo Scribblenatus Unmasked traz Batman, Superman, Coringa, Bane e muitos outros personagens da DC para sua total diversão, com centenas de versões deles e muita, muita diversão.

 

Um game que promete muito!