Star Wars 1313 continua… mesmo com a compra da Lucasfilms

A todos os fãs de games de Star Wars que possam estar preocupados com o destino de 1313, relaxem. A produção continua normalmente. Segundo o CEO da Disney Interactive, Bob Iger, o projeto continua normalmente e, daqui para frente, a empresa vai começar a focar o uso da franquia também em jogos sociais e mobile.

Ou seja… isso, continua:

Anúncios

Notícia velha com todos os detalhes – Lucasfilms é parte do Império Disney!

É o fim! Tudo acaba em 2012! No segundo passo de dominação de nossos futuros senhores – os ratos espaciais – a empresa deles, a Disney acabou de gastar US$4,05 bilhões na compra da Lucasfilm. Sim… aquele estudiosinho de um tal de George Lucas. O primeiro projeto da empresa sob a nova direção também já foi anunciado: um novo filme da saga Star Wars, oEpisódio VII, para 2015.  Infelizmente para tantos que, como eu, esperavam ser apresentados a triologia como ela foi escrita nos livros, com o Almirante Thraw e tudo, a Disney deu um banho de água fria: Muito material do universo expandido contido nos livros será cortado ou modificado para se tornar independente de outros livros.

Começamos mal em Disney!

George Lucas permanece na Lucasfilm como consultor criativo, mas a antes copresidente do estúdio, Kathleen Kennedy, passa a ser a única presidente e deverá se reportar ao presidente do conselho da DisneyAlan Horn. Kathleen também assume como gerente da marca Star Wars, a jóia mais valiosa do estúdio. No press release oficial, George Lucas afirmou: “Durante os últimos 35 anos, um dos meus maiores prazeres foi ver Star Wars passando de uma geração para outra. Agora é hora de passar a franquia para as mãos de outros cineastas. Sempre acreditei que Star Wars pode sobreviver sem mim, e acho importante que essa transição aconteça enquanto estou vivo.”

Lucas continuou: “Estou confiante de que sob a liderança de Kathleen Kennedy e com uma nova casa, a Disney, Star Wars vai viver e florescer por muitas gerações. O alcance e experiência da Disney dão à Lucasfilm a oportunidade de trilhar novos caminhos nos filmes, mídia interativa, parques temáticos e produtos em geral.”

A franquia Indiana Jones também passa para a Disney, mas ainda não houve menção sobre novos projetos com o personagem.

Em um vídeo divulgado pelo canal oficial de Star Wars, George Lucas e Kathleen Kennedy comentam a nova fasecitando os exemplos de sucesso da Marvel e da Pixar após terem sido adquiridas pela Disney, além de revelar que a aposentadoria do diretor já era um desejo antigo.

E já que agora a Disney e a Marvel são dos mesmo donos… dá para imaginar algumas coisas bem legais para o futuro. Impossíveis… mas não custa sonhar.

 

Darth Vader vs Magneto

 

Darth Maul VS Wolverine clássico

 

Homem Aranha VS Luke Skywalker

 

Ben Kenobi VS Charles Xavier

 

Han Solo VS Deadpool

E uma só para relaxar!

 

Video Games Live 2012 – O que teve

Desde 2009, eu (sim, eu, Michela. EU EXISTO E ESCREVO!) e o Marcel frequentamos o Video Games Live. Já virou um programa do casal, e é o nosso marco de final de ano. Como sou meio “cricri” com algumas coisas, para mim todos os anos foram mais ou menos iguais, mas sou uma mocinha de costumes e rotinas. E em 2012, meu mundo virou de ponta cabeça no show.

A começar pela comitiva. No primeiro ano, fomos apenas eu e o Marcel. No segundo, tivemos a companhia do nosso querido Bruno, o Brunador. Em 2011, além deste, também nos acompanharam Raul, Monique, Junião, Henrique Vieira e Henrique Lira.  Neste ano, além de não nos sentamos tão na frente (na verdade, estávamos na penúltima fileira), levamos Marco Ervilha e Fabão, que sempre quisemos levar mas nunca tivemos a oportunidade até então.

Outra coisa que foi bem diferente neste ano foi a questão das datas. Estávamos programando tudo para assistir o show num sábado, mas por problemas de PATROCÍNIO (porque o ingresso é baratinho, né?), a data do evento em São Paulo foi mudada 21 de outubro, um domingo. No mesmo dia, eu também teria um campeonato em Piracicaba, e pra ajudar era o início do horário de verão. Mas essas situações a la Murphy são comuns na nossa vida.

Não vou ficar narrando o que aconteceu antes de chegarmos à casa de shows – HSBC Brasil – porque o post ficaria enorme e eu não estou com saco pra tudo isso. Mas posso começar dizendo que fui muito surpreendida pela ausência de filas uma hora antes do evento. Acho que a galera quis descansar por causa da mudança do horário, então estava tudo bem vazio no saguão do HSBC. Vazio MESMO! Para começar, não havia nada além do Guitar Hero pra galera jogar. A venda de souvenires não tinha o blu-ray do Level 2 do show, o que me deixou bastante triste. Tive que me contentar com uma camiseta apenas – isso porque levamos dinheiro pra torrar horrores. Mas no meio da imensidão, encontramos uma coisa bacana: cachorro-quente completo + batatas sorriso por 10 mangos, o que para o padrão desse local, é um preço mega camarada!

Você já viu uma batata sorrindo para uma Ervilha? Eu já…

Pois bem, entramos e nos sentamos. O show, é claro, começou pontualmente. Teve início com a premiação do Game Music Brasil, e o anúncio-spoiler que Austin Wintory (criador da trilha sonora do jogo Journey) estaria no evento. Valeu, galera do GMB…

A seguir, concurso de cosplay. Não teve pra ninguém, só deu a peituda da Lulu na cabeça da galera. Mas era feia de cara e boa de bunda, pra mim não valeu. Por fim, passaram o vídeo do Super Mario World (com o ritmo da canção “What a wonderful world”), e o já batido vídeo “Junior Kickstart”, da Ms. Pacman. Saco! >_<

Mas foi nesse momento, quando toda a minha esperança tinha ido pelo ralo, que os ventos começaram a soprar em outra direção. O vídeo de abertura foi baseado em Tron, e a primeira música que o Sr. Tommy Tallarico colocou na playlist já jogou a galera lá em cima: Castlevania. Ao fim da canção, fiquei sabendo que nosso maestro da noite seria o meu amado Emmanuel Frattiani. E para não deixar o negócio cair, tivemos a música do Mega Man (na qual o Fábio quase infartou) e Kingdom Hearts (onde eu e o Marcel choramos feito duas criancinhas na Disney).

A seguir, The Shadow of the Colossus e a apresentação do primeiro convidado da noite: a fofíssima Laura Intravia, com sua flautinha super foda. Ela colocou um modulador no instrumento, e para total delírio do Ervilha, tocou Donkey Kong Country.

A seguir, 4 pessoas foram retiradas da plateia para jogar Super Smash Bros Meelee, enquanto a orquestra (Sinfônica Villa Lobos, sempre fazendo bonito) tocava a abertura de Super Smash Bros Brawl. Ao final, a Laura Intravia mostrou-se versátil com os instrumentos, e sentou-se ao piano para uma das músicas mais aclamadas da noite – na verdade, duas: Final Fantasy VII (Aerith’s Theme) e Final Fantasy VIII (abertura).

 

Uma coisa curiosa: TODOS os vídeos entre as músicas, que são colocados e duram cerca de 1 minuto ou 2, eram diferentes. Esse me matou de rir:

A seguir, recebemos o Austin Wintory (Oh! Que surpresa!!!) para a condução da música do Journey, e depois tivemos God of War.

INTERVALO! Comemos mais cachorro quente e bebemos um monte de chá. Passou aquele vídeo hilário “Minha infância em 4 minutos”. Quem nunca viu, dá uma olhada no Youtube, façavor. Quero continuar meu relato.

Quando a galera voltou, mais uma explosão: Street Fighter! Coladinho nessa música, veio o Link, ou melhor A Link Laura Intravia com o Medley de Zelda. Achei que o Ervilha ia ter um treco novamente. A seguir, Sonic. Ervilha morreu! HAHAHAHAHAHA!

Chegamos aos dois últimos convidados especiais da noite, meus favoritos, particularmente: Russel Brower e Neil Acree, ambos da Blizzard, conduzindo AO VIVO as músicas dos vídeos de lançamento do Cataclysm e do Mists of Pandaria. Como fã de World of Warcraft, essa foi a hora em que delirei e gritei feito uma doida! E foi nesse momento que tomei a decisão que fez o Marcel surtar – e todos nós ganharmos a noite: nós iríamos participar do Meet and Greet no final do show.

Ao final dessa apresentação, tivemos Metal Gear Solid, Mario Theme (com Laura Intravia na flauta), Earthworm Jim, Chrono Trigger e Chrono Cross e Pokémon. Para o bis, sob o coro de “Fus-ro-dah!”, uma surpresa: Russell Brower entrou vestindo uma linda camisa da seleção brasileira, e falou de sua amizade com o criador da trilha sonora de Skyrim, e como ele havia pedido para o Russell reger a música do jogo. Acho que naquele momento o local veio abaixo. E foi nessa hora que eu saí correndo pro saguão para ficar na fila do Meet and Greet.

A última música foi “Still Alive”, mas eu não estava nem aí. EU era a primeira da fila para pegar autógrafos e tirar fotos, e vocês não têm ideia de como fiquei maluca. Acho que suei tanto que daqui a pouco a capa do meu Moleskine vai desmanchar. Mas valeu a pena. Conheci todo mundo e tirei fotos. As duas fotos mais especiais, no entanto, foram com o Russell Brower e com o Tommy Tallarico. Foi realmente emocionante e inesquecível, e quase não fui pra fila porque o Marcel achou que não daria tempo. Mas deu.

Os primeiros da fila para o Meet and Greet. Felizes? Com certeza!

Aliás, deu tempo de sobra. E nós quatro saímos de lá sorrindo feito idiotas, conversando, rindo, chorando, comentando. Acho que foi, até o momento, a melhor apresentação que assisti. Sei que o meu relato, perto do que o Marcel costuma escrever, são bem menos detalhados e com menos coisas. Mas é o tipo de experiência que você tem que ter. Se você quer saber como é estar lá, ver os caras, ouvir as músicas, apertar a mão do Tommy Tallarico, esfregar os dedos na pança do Russell Brower ou apertar a mão da Laura Intravia como se vocês fossem BFFs há anos, só visitando.

Eu e o Russell Brower

Marcel e Tommy boy

Ervilha e Laura Intravia (com o Marcel e papagaio de pirata)

Eu e o Tommy Tallarico

E tenham a certeza de levar boas companhias. Eu, como todos os anos, sempre tenho as melhores. Na verdade, tenho a melhor de todas: meu marido fofo, meu companheiro para todas as horas.

Te amo! ❤

E que venha 2013!

O que diabos é a promoção que vem no Wii U deluxe?

Estamos ouvindo que a versão Deluxe do Wii U (cujo o console é preto e vem com um game e mais memória) vem com uma “promoção” exclusiva nela. Mas o que diabos é essa promoção?

Segundo a Big N trata-se de um mimo exclusivo aos compradores da versão deluxe que, ao comprarem jogos e apps através da Nintendo eShop, apenas no Wii U, ou downloadarem games usando códigos comprados em lojas específicas (Amazon e Gamestop já estão listadas), irão receber, em Nintendo Points, o equivalente a 10% do valor pago, que poderá ser usado para comprar ainda mais coisas.

Ok! Na vida real funciona assim. Vamos supor que você compre, no lançamento, New Super Mario Bros U, via Nintendo eShop, pagando US$ 59,99. Você ganha, imediatamente, 599 Nintendo Points, o equivalente a US$ 5,99 para gastar no que quiser na Nintendo eShop, tanto no seu Wii U quanto no seu 3DS. Essa promoção fica válida para quem comprar a versão deluxe até Dezembro de 2014.

O bom é que isso comprova a existência do Nintendo Network ID e  que ele será unificado para 3DS e Wii U. Todos os pontos ganhos devem ser usados até Junho de 2015 mas os pontos comprados terão validade infinita. A Nintendo esclarece, ainda, que essa “promoção” só existirá para os compradores da deluxe edition, não havendo qualquer outra condição de uso para portadores da versão básica do Wii U, do Wii ou do 3DS (simples ou XL).

Silicon Knights está trabalhando em Eternal Darkness 2. Mas será que saí algo daí?

Embora recentemente a empresa tenha soltado apenas bombas xexelentas como Too Human e X-Men Destiny a produtora Silicon Knights é conhecida por seu melhor jogo, a imperdível pérola do GameCube, Eternal Darkness (se você nunca ouviu falar, não se preocupe… um retro review do game está em andamento para ser publicado). Adorado pelo público (foi o primeiro jogo M publicado pela Nintendo) e pela crítica o game se tornou um clássico da noite para o dia; Por mais de uma década os fãs vem pedindo por um novo game, mas nada além de promessas haviam surgido. Até agora.

Silicon Knights está, realmente, trabalhando em um Eternal Darkness 2.

Em uma conversa com a Kotaku um ex-funcionário da firma informou que a empresa dividiu seus times de trabalho entre a produção de X-Men Destiny e o começo dos trabalhos em Eternal Darkness 2. “They were working on an Eternal Darkness 2 demo that they could take to publishers. While I was there, they were even siphoning off staff from my [XMD] team to work on it,” (Eles estão trabalhando em um demo de Eternal Darkness 2 que pudesse ser levado para distribuidoras. Enquanto eu estava lá eles estavam tirando gente do meu time de trabalho (X-Men Destiny) para trabalhar nisso.) disse o funcionário. Embora a notícia seja excelente é bom não ficar muito animado – o funcionário em questão prosseguiu dizendo que embora os recursos estivessem sendo destinados a isso, não houve muito progresso… e o que houve não foi bom “bad tech, combined with a team composed of people who had not shipped a title since Metal Gear… I can’t explain why things went so poorly for them [except that] a lot of key people responsible for the originalEternal Darkness are long gone.” (péssimo conteúdo técnico combinado com um time composto por pessoas que não colocaram um game no mercado desde de Metal Gear… Eu não consigo ver outra maneira das coisas terem ficado tão ruins a não ser o fato de que as pessoas chaves, responsáveis pelo Eternal Darkness original, já não estão na empresa faz tempo).

Embora seja cedo para falar em alguma coisa, ainda mais vindo de uma empresa imensamente enrolada como a Silicon Knights (o projeto “Too Human” começou no PS1, foi para o PS2, para o GameCube e por fim aterrissou, completamente diferente, no 360 – e foi péssimo!), é bom saber que pelo menos alguma atenção está sendo dada para a franquia. Será que existe alguma chance disso aparecer no Wii U?

Jogando: 007 Legends

Existem jogos excelentes que, por um descuido de design ou uma falha de concepção, acabam tendo pontos que indignam, cansam e frustram os jogadores: Eternal Darkness e Dark Siders. Existem bons jogos, que por um conjunto de falhas patinam em se tornarem melhores, e que, ainda por cima, tem pontos frustantes que irritam os jogadores além de qualquer chance de redenção: Goldeneye Reloaded e CoD5 . E exigem jogos ruins, como 007 Legends, que são esquizofrênicos e não conseguem realmente dizer a que vieram – e o que fazem, fazem mal feito.

Começando pela jogabilidade. Tudo, que não as seções em primeira pessoa, são escorregadios e mal feitos – quase como se estivessem ali apenas para tapar buraco. Dirigir os veículos é horrível e as seções em gravidade zero na última fase são penosas e chatas. Além disso as fases não contém uma grama de inspiração sequer, servindo-se de todos os clichês possíveis nos FPSs atuais sem conseguir animar, nem mesmo com a utilização livre de motes e momentos “Bondianos”. Você não vai se animar em derrotar ninguém em “Moonhaker” nem em encontrar Scaramanga – é simplesmente chato. Some a isso inimigos que recebem dano como esponjas, não tem pontos vitais (guardas de armadura podem tomar dois ou três tiros de pistola no rosto sem efeito aparente) e repetem animações iguais centenas de vezes, com uma inteligência artificial que os joga no meio de corredores enquanto balas pipocam por todos os lados… simplesmente horrível.

O controle cumpre o papel que deveria ter, mas não é nem perfeito nem inspirado. Pequenos delays ocorrem aqui e ali e por vezes você sofrerá quando comandos específicos forem necessários mas não forem mencionados em tela. O som é aceitável, com vozes convincentes, Daniel Craig e Judi Dench em seus papeis costumeiros e músicas que, se não são boas, pelo menos seguram bem a onda.

Graficamente o jogo é bem fraco. Texturas demoram a carregar e, por vezes, são muito pobres – porcas mesmo. A animação dos inimigos é risível e a a dos personagens principais são toscas – muito piores do que Goldeneye Reloaded ou, mesmo, Blood Stone. As armas reais ficaram bem feitas mas as armas imaginárias ficaram horríveis – a golden gun parece um isqueiro com uma ponta e a arma laser de “O Foguete da morte” parece algo feito pela Hasbro!

Em suma 007 Legends não convence. Tem problemas técnicos típicos de jogos feitos por empresas sem dinheiro, sem tempo, sem pessoal ou a soma dos três. É incrivelmente raso e não convence nem mesmo o mais ardoroso fã do espião britânico. Se você realmente quer um game envolvendo Bond, James Bond, tente Goldeneye Reloaded.

Ou melhor ainda: Ache um Nintendo 64, “espete” um GoldenEye 64 nele, e bom divertimento.

 

Lista completa de músicas de Just Dance 4

Eis a lista completa de músicas de Just Dance 4

  1. Bill Medley & Jennifer Warnes – “(I’ve Had) The Time of My Life”
  2. Las Ketchup – “Asereje (The Ketchup Song)”
  3. Justin Bieber featuring Nicki Minaj – “Beauty and a Beat”
  4. Panjabi MC – “Beware Of The Boys (Mundian To Bach Ke)”
  5. Carly Rae Jepsen – “Call Me Maybe”
  6. Boys Town Gang – “Can’t Take My Eyes Off You”
  7. Emma– “Cercavo Amore”
  8. Army of Lovers – “Crucified”
  9. Rihanna – “Disturbia”
  10. Dancing Bros. – “Everybody Needs Somebody To Love”
  11. Flo Rida – “Good Feeling”
  12. Blu Cantrell – “Hit ‘Em Up Style (Oops!)”
  13. A.K.A – “Hot For Me”
  14. The Blackout Allstars – “I Like It”
  15. They Might Be Giants – “Istanbul”
  16. Elvis Presley – “Jailhouse Rock”
  17. Ricky Martin – “Livin’ la Vida Loca”
  18. Selena Gomez and the Scene – “Love You Like A Love Song”
  19. Nelly Furtado – “Maneater”
  20. Sergio Mendes featuring The Black Eyed Peas – “Mas Que Nada”
  21. Maroon 5 featuring Christina Aguilera – “Moves Like Jagger”
  22. Alexandra Stan – “Mr. Saxobeat”
  23. Rick Astley – “Never Gonna Give You Up”
  24. Marina and The Diamonds – “Oh No!”
  25. Jennifer Lopez featuring Pitbull – “On The Floor”
  26. The Girly Team – “Oops!… I Did It Again”
  27. The B-52’s – “Rock Lobster”
  28. Skrillex – “Rock N’Roll (Will Take You To The Mountain)”
  29. Kat DeLuna featuring Busta Rhymes – “Run The Show”
  30. Anja – “Crazy Little Thing”
  31. P!nk – “So What”
  32. Sammy – “Some Catchin’ Up To Do”
  33. Nicki Minaj – “Super Bass”
  34. Stevie Wonder – “Superstition”
  35. Europe – “The Final Countdown”
  36. Halloween Thrills – “Time Warp”
  37. 2 Unlimited – “Tribal Dance”
  38. Rihanna featuring Jay-Z – “Umbrella”
  39. Hit The Electro Beat – “We No Speak Americano”
  40. One Direction – “What Makes You Beautiful”
  41. Will Smith – “Wild Wild West”
  42. Barry White – “You’re The First, The Last, My Everything”
  43. Carrie Underwood – “Good Girl” (U.S. exclusive)
  44. Bunny Beatz – “Make The Party (Don’t Stop)” (Apenas nas versões do PS3, Wii U e 360)

A Nintendo terá mais 2 bundles do Wii para esse final de ano!

Caso você seja um dos três mortais que ainda não tem um Wii na sua casa… suas desculpas acabaram! Além do bundle com desconto que já informamos a Big N vai colocar mais dois bundles no mercado.

O Just Dance bundle vai custar US$129.99 e inclui Wii (novo modelo, que não roda GameCube), mais Wii Remote Plus, Nunchuck (todos na cor branca) e uma cópia de  Just Dance 4. O Skylanders bundle vai incluir um Wii + Wii Remote Plus + Nunchuck (todos azuis), mais um portal do poder e uma cópia de Skylander Giants por US$  149.99.

Para quem está curioso sobre a lista completa de músicas de Just Dance 4, logo embaixo deste post tem todas elas.

Inventário + Equipamento da Big Huge Games e da 38 Studios são vendidos

Todos os assets da 38 Studios (dona da produtora Big Huge Games), com exceção de suas propriedades intelectuais (que até o momento incluem o material de Kingoms of Amalur e do projeto paralizado Copernicus), foram vendidos em dois leilões por US$830,000. O primeiro, em Rhode Island, rendeu U$ 650.000 com a venda dos computadores de alto desempenho, servidores, equipamento de design e animação e mobília de escritório. A segunda, em Maryland, resultou em US$ 180.000 pela venda dos equipamentos de som, como gravadores, mesas de mixagem, etc…

Todo o material da produtora se tornou propriedade do estado de Rhode Island em Agosto, como parte de uma ação para recuperar 75 milhões de dólares devidos ao estado. As propriedades intelectuais serão leiloadas no começo de 2013. Mais informações sobre o caso aqui.