The Legend of Zelda: Breath of the Wild (Switch) – Live de 03/09/2019

Continuando nossa aventura em busca da princesa Zelda!

A Lenda de Zelda: Wind Waker HD está vindo para detonar! E nós sabemos como e quando!

O jogo chega as mãos ávidas dos fãs em 08 de Outubro de 2013 (pelo menos nos EUA) e vem com uma série enorme de modificações, que vão muito além dos incríveis gráficos refeitos para a alta resolução.

Alguns exemplos das modificações são animações mais rápidas (o grapling hook não leva mais 10 segundos de animação toda vez), os itens podem ser modificados de posições (ou usados diretamente) da tela sensível ao toque, um mapa, com possibilidades de personalização e inscrições, fica disponível para você na tela do game pad, o sistema de combate foi facilitado (com o tempo de entrada dos golpes especiais – que destroçam armaduras ou cortam armas de inimigos – aumentado) entre outras pequenas modificações para modernizar o game. Mas nem de longe essas são as mudanças mais importantes.

WiiU_WindWakerHD_082113_Scrn14

O jogo foi inteiro refeito para uma nova geração de jogadores e partes dele que, segundo o diretor Aonuma “Simplesmente não faziam sentido e não acrescentavam nada para a jogabilidade”, foram modificadas para não serem mais obrigatórias. Por exemplo, se você jogou o game na versão do GameCube deve se lembrar de oito mini dungeons necessárias para conseguir 8 mapas codificados, que então você tinha que descobrir onde decodificar (na tingle island) e pagar por cada mapa decodificado – pois bem… só três mini dungeons são obrigatórias agora, sendo que 5 dos mapas podem ser conseguidos de outra forma e a tingle island, e sua função, é apresentada logo no começo da “quest” com detalhamento do processo de decodificação assim como um preço mais camarada por mapa decodificado. Além disso há uma Fast clothe (Em uma tradução leve “Vela Ligeira”) que permite viajar contra o vento e em uma velocidade 3 vezes maior que a normal, que poderá ser adquirida no bazar (não se preocupe… só tem um no jogo todo). E a Pictochart, a “câmera fotográfica” do jogo, que era usada para fotografar inimigos e personagens para transformá-los em miniaturas, está de volta com uma função de auto shoot, que permite fotografar link fazendo caras bizarras ou em situações estranhas – e todas as fotos podem ser divulgadas no Nintendo Wara Wara ou nas listas de discussões.

WiiU_WindWakerHD_082113_Scrn02

Do branco e preto para o sépia… Ficou lindo!

É claro que tudo isso podia facilitar demais o jogo. Então a Nintendo resolver dar um presente também para o fã hardcore. E esse presente é o Hero Mode, que remove todas as facilidades novas dadas (maior abertura de tempo de ataques, mapa com  possibilidade de registro, Fast Clothe, etc…) e ainda remove o uso de fadas, os inimigos não derrubam corações e a energia só pode ser recuperada pelo uso de poções. Ouch Nintendo! Não precisava exagerar.

De qualquer forma, para novos ou velhos jogadores, Wind Waker HD parece estar se tornando uma necessidade. E um excelente motivo para comprar um Wii U.

Nintendo Direct – A Lenda de Zelda: The Wind Waker HD está lindo

Simplesmente maravilhoso! Segundo Iwata, o presidente da Nintendo, o jogo vai ganhar um novo modo de dificuldade (chamado Nightmare), que trará um novo layout para as dungeons, assim como gráficos que não estão só com um filtro e um upscalling, mas completamente refeitos para funcionar em um novo hardware e em um novo formato em alta definição.

Além disso o senhor Iwata confirmou que haverá um guia interna do game, como em Earthbound, disponível para ser visualizado, a qualquer momento e sem parar o seu jogo, no Wii U Game Pad – para auxiliar marinheiros de primeira viagem. Agora não tem mais desculpa…

… para o Grande Oceano! Já!

zelda-wind-waker-hd-wii-u-pic-2

Minicastle 7 anos – Retroreview – A Lenda de Zelda 2: A aventura de Link

Sabem quando um cantor faz sucesso com um álbum muito muito bom e, de repente, resolve que vai lançar um single em um estilo completamente diferente? Normalmente, não importa quão bom seja esse single exótico, ele será mal visto pelos fãs; uma mancha eternamente escondida no tapete mas que você, não importa quantas vezes lave, vai saber que está lá.

Isso não quer dizer que aquele single não tenha charme ou que aquela mancha seja perceptível – ao contrário! Muitos e muitos vão dizer que seu tapete está perfeito e outros tantos vão dar louros exatamente à aquele single do artista, considerando melhor do que toda a obra combinada do cara até então. É só que é tão… estranho!

E essa é a exata situação de The Legend of Zelda: Link’s Adventure. Ele não é ruim; muito pelo contrário: É um RPG de ação por visão lateral anos a frente de seu tempo com milhares de novidades e ideias excelentes. Ele só não parece… bem… Zelda.

Vamos começar pelos gráficos que, para a época, eram majestosos – pelo menos enquanto você estivesse no side scrolling ( a visão superior, na parte dos mapas abertos, eram bem mais simplória, lembrando FF1). Os personagens e inimigos eram bem animados e havia uma qualidade/quantidade boa de cenários . O som era excepcional, como esperado de um Zelda, com uma quantidade enorme de músicas vindas do mestre Koji Kondo, sempre com aquela qualidade fantástica.

O controle funcionava muito bem, com Link respondendo rápido e de forma fluída aos comandos. O problema nessa área era o gameplay mesmo – se você jogou Castlevania no NES sabe do que eu estou falando: os inimigos levam um monte de golpes para morrer, alguns deles vem voando erraticamente pela tela (impedindo seus golpes ou fazendo com que você seja acertado, várias vezes, antes de conseguir matá-los) e muitos deles tem uma área de acerto/ameaça muito maior do que a de Link, fazendo com que você tem que entrar dentro dessa área, acertar o inimigo e, só então, correr com o rabo entre as pernas para fora dela. Não ajuda em nada a causa do game o fato dele ser EXTREMAMENTE difícil – ouço dizer que o Zelda mais difícil de todos. Então some essa dificuldade toda, com uma jogabilidade meio travada e diferenças imensas de estilo com o primeiro Zelda (e com, essencialmente, todos os que vieram depois também) e você perceberá porque esse jogo não é assim tão bem falado.

Se você se der ao trabalho, no entanto, de mergulhar no jogo, verá quão importante e incrível esse game é. Ele mostra uma Hyrule muitos anos a frente dos Zeldas futuros, com cidades batizadas com nomes de sábios de Ocarina e explica a origem do nome Zelda – dois pontos fundamentais na cronologia até aquele momento. É uma mistura bizarra de side scroller e RPG que, até hoje, seria um clássico do NES não tivesse saído com o nome “The Legend of Zelda” estampado no cartucho. Dê uma chance a esse estranho, assim como Majora’s Mask, ele vai te encantar.

Zelda-II-Link-Means-Business-the-legend-of-zelda-5250997-424-566

Minicastle 7 anos – Retroreview – A Lenda de Zelda (NES – 1987)

Toda jornada tem um começo…

Toda viagem tem um primeiro passo…

Toda lenda tem um início…

E esse É O início. O começo. O local onde a vida de muita gente, o que eles pensavam, esperavam, raciocinavam, sobre videogame mudou, para alguns, para sempre. Foi a partir daqui que só pular sobre gombas não era mais suficiente. Foi a partir daqui que só metralhar selvagemente os inimigos não era o que queríamos.

Nós queríamos uma aventura. Queríamos uma lenda. Algo elegante, aberto, majestoso, que desafia-se sem frustar.

Diferente de tudo que havia até então, The Legend of Zelda, lançado para o Famicon em 1986, com o nome de ゼルダの伝説, Zeruda no Densetsu (exatamente A lenda de Zelda) e para o NES em 1987, Zelda, como viria a ficar conhecido, era colossal. Não só em tamanho, mas na experiência pura que proporcionava. Você tinha 1 tela de história…

zelda_nes_story_480

… e literalmente era jogado, sem nada a não ser a clássica roupa verde, no campo de Hyrule, em frente a uma caverna. Se você entrasse na caverna um velhinho lhe dizia…

83-Image-2

… e você ganhava uma espada. E era assim sempre. Nada de mapas in-game (o manual tinha um muito simplificado e sugeria que você desenha-se o seu, marcando pontos encontrados que você precisaria retornar depois), nada de explicações de como usar os itens ou tutoriais. Como o próprio criador do jogo colocou “Zelda era um pequeno jardim que o jogador usava como bem entendesse. Ele descobria sua maneira de jogar a sua própria velocidade, de seu próprio jeito.”.

Eu, por exemplo, saindo andando para a esquerda depois de pegar a espada, e cheguei a um templo que não tinha como abrir. Tentei tudo, apertei todos os botões, dei espadadas na porta até dizer chega, mas nada ocorreu. Eu não tinha nenhuma revista a mão que me ensinasse o que fazer, logo resolvi andar pelo mapa…

… e, de certa forma, nos 26 anos desde então, venho fazendo exatamente isso. Andando pelo mapa, absorvendo cada detalhe das imensas paisagens e das possibilidades abertas para você. Muitos dos jovens alienados de hoje dizem “Bom é GTA que eu faço o que eu quero!” – tolos ignorantes. Bom é Zelda onde a história e o ambiente me fazem sentir que eu sou tão importante, tão fundamental para aquele mundinho, que eu tenho que salvar aquela princesa.

A propaganda era do Zelda do Super Famicon… mas é válida porque é animal demais!

Graficamente Zelda era um desbunde na época do NES, mas claramente o jogo sofre com a passagem para a atualidade, principalmente em tvs de alta resolução que vão mostrar cada quebra de pixel em toda a sua “glória”. Ainda assim é apaixonante da mesma forma como Super Mario Bros ainda é incrível exatamente por ser todo duro e quebradinho. Os controles são simples e trabalham exatamente da maneira como deveriam, auxiliando o jogador a se mover e a lutar contra as terríveis bestas que se escondem por toda Hyrule.

O som era simplesmente F A N T Á S T I C O !!! Alguns dizem que a melhor obra do eterno maestro Koji Kondo (eu discordo… porque o cara só foi ficando cada vez melhor – vide DK no SNES) a música de Zelda era simplesmente embasbacante! Do tema clássico que tocava na abertura e no Hyrule field ao tema obscuro, temeroso e lúgubre das dungeons, dos efeitos sonoros ao sons de caminhada, passando pelo vento e pelos uivos dos monstros e som de dor dos bosses, Zelda era uma obra prima do som. Você sabe que você tem algo fantástico nas mãos quando seu pai, com uma imensa formação musical, senta do seu lado para ouvir a música enquanto você joga – é bom assim! E a versão do NES ainda tem o pior som de todos (devido ao aparelho não ter acesso ao FM sintesizer que havia no interior do Nintendo Disk Drive, do Famicon), então, se conseguir (visto que hoje existem milhares de detonados), jogue na versão do Famicon (ou no Virtual Console do Wii/Wii U – onde o som foi restaurado).

O jogo contém Dungeons que, na época, pareciam imensas (quem está acostumado com Ocarina of Time passa por elas em minutos ^_^) e um campo aberto interconectando elas tão cheio de segredos que chega a parecer absurdo. A diversos níveis para a espada e alguns itens, grutas com fadas e milhares de segredos. Pode parecer muito bizarro hoje em dia, principalmente com a curva de aprendizado tão diferenciada e com a sensação de ser jogado, essencialmente sem preparo, no universo do jogo, mas aventureiros não tem com o que se preocupar – depois que seu cérebro entrar na marcha certa você vai mergulhar em Hyrule.

Só não sei se vai conseguir voltar. Bom divertimento!

nesconcept1

 

 

 

Segundo Aoji Aounuma, diretor atual da série Zelda “Caso consigamos criar conteúdo de qualidade, que melhore e expanda o jogo, sem danificar sua coesão ou prejudicar a história, com certeza daremos isso ao jogador.”, embora o executivo sugeriu “Preferimos demorar um pouco mais e entregar tudo num pacote só (riu).”.


O suposto Zelda de Wii U, apresentado na E3 2012

Mais uma vez a Nintendo mostra o cuidado com que trata seus clientes. Sem comentários em Microsoft?!

E3 2013 – Meu zelda favorito ganha versão HD: Eis A lenda de Zelda: Wind Waker HD!

Esqueçam os gráficos mais fofos e mergulhem na história, porque esse zelda tem uma história densa e deliciosa que não deixa nada a dever a clássicos mais soturnos como Twilight Princess e Skyward Sword. É longo, massivo, absurdamente detalhado, relaxadamente engraçado e mais do que incrível sob qualquer ângulo que se olha.

Eu sou um fã de zelda com todos, eu disse TODOS, eles terminados. E esse é, de longe, o meu favorito! Sejam bem vindos ao maravilhoso grande oceano!

Arte para fãs de Wind Waker!

Nem tudo criado para o rico universo de Hyrule figura no Hyrule Historia! No aniversário de 20 anos de Zelda uma caixa foi lançada no Japão, contendo diversos mimos e um disco especial de Wind Waker. Entre esses mimos havia um artbook com diversos sketches de personagens e lugares em fases diferentes de desenvolvimento. O site History of Hyrule tem mais informações… mas aqui estão algumas imagens.

6855242243_02c1154072_o-610x516

Sim… a Tetra e a Zelda já foram pessoas diferentes!

6855243279_e89a9a195a_o-610x312

Alguns designs do King of Red Lions

6855359487_8295e7a2fe_o-610x703

Primeiras idéias para um Link Cel-Shading!

6855360315_7e0d54ba4c_o-610x529

E como eles chegaram no Chibi Link

6855362977_a71694693d_o-610x369

Primeiro Link versus um primeiro Ganondorf

6855363199_4983862a11_o-610x582Ganondorf versão primitiva