EA + Disney = Star Wars na mão da Bioware, DICE e Visceral

Eu não sei dizer se isso é uma benção ou uma maldição: A Eletronic Arts, eleita duas vezes como a pior empresa da América, tem, agora, direito exclusivo de fazer games com a franquia Star Wars para PCs e Consoles.

Segundo a Disney “Isso permitirá que jogos de qualidade com a franquia Star Wars continuem fluindo enquanto buscamos outros parceiros para o mercado Mobile” enquanto um porta-voz da EA colocou “É o sonho de todo desenvolvedor fazer jogos com a franquia Star Wars. Agora 3 de nossos estúdios terão a chance disso. E com o uso de nossa Frostbite 3 podemos garantir que os gráficos terão toda a qualidade esperada.”

Deixa eu traduzir as frases acima para vocês: “Queremos muito dinheiro então vamos achar alguém que faça jogos e nos de dinheiro enquanto achamos outra pessoa que faça mais jogos ruins e nos de dinheiro” enquanto a EA disse “Teremos gráficos lindos e jogos de dois em dois anos ou menos…”.

De qualquer forma a EA já informou quem serão os estúdios que irão trabalhar com a franquia: um RPG/Action RPG (ainda não se sabe) será feito pela Bioware e dois jogos de ação serão feitos pela DICE e a Visceral. Para quem morou numa pedra durante os últimos 10 anos, a Bioware é responsável pela saga Mass Effect, enquanto a DICE tem no currículo Battlefield e a Visceral tem Dead Space.  Não são desenvolvedoras ruins, concordo, mas ainda acho que o game estaria melhor fora das mãos gananciosas da EA.

EA-Star-Wars-death-star

Agora… só nos resta esperar! O que vocês acham? Seria a EA a nova esperança ou teriam os games de Star Wars finalmente sucumbido ao lado negro?

 

 

Eletronic Arts é considerada, pela segunda vez seguida, como a pior empresa da America! Mas Por quê?

A gigante devoradora de pequenas empresas, fabricante de enlatados sem graça e destruidora de sonhos, Eletronic Arts, a EA, foi eleita, pela segunda vez consecutiva, como a pior empresa da América – ganhando o prêmio “Golden Poo” (literalmente “Cocô Dourado”. Para esse “feito” a empresa venceu, em um pool votado via internet empresas como o Bank of America, Ticketmaster, Carnival Cruise Lines, Anheiser-Busch InBev, Facebook, AT&T, Walmart, Best Buy, American Airlines, PayPal e TODOS os provedores de Internet, telefonia e TV a Cabo americanos.

Nada mal EA… nada mal mesmo! ^_^

Segundo o editor da Consumerist’s, publicação que criou o prêmio, Chris Morran, “Depois de ser coroada como a pior companhia na América no ano passado, era esperado que a Electronic Arts entendesse a mensagem: Pare de tratar seus consumidores como cofrinhos e não coloque no mercado jogos incompletos e quebrados apenas para fazer esses mesmos consumidores pagarem extra pelo que já deviam ter recebido de cara.”

De frente a essas reclamações o senhor Peter “Eu sou um imbecil” Moore, COO da EA (Chief Operating Officer) soltou ao vento uma pergunta que eu mesmo me faço: “As árvores mais altas são as que pegam mais vento. Se somos assim tão ruins porque vendemos mais games a cada ano?”.

Verdade! Se sabemos que a EA é uma merda, dourada ou não, porque continuamos consumindo os produtos dela, cada vez em maior número? E se não consumimos, porque consideramos a empresa uma merda? E porque a Valve não explode de vender, se é considerada uma empresa excelente?

Afinal… o que faz a EA ser tão odiada?

Vamos por partes…

598952_497251903645879_114784247_n

Eu amo todos eles EA… não os toque!

Tranquilizando Acionistas

“É uma besteira a seleção da Consumerist. E a mesma seleção que ano passado nos considerou piores que a empresa responsável pelo maior derramamento de óleo da história.” disse Moore, relativo a produtora de óleo Champ BP, que perdeu o “prêmio” para a EA no ano passado (e não foi “eleita” para participar neste ano). Mas como funciona essa seleção?

A consumerist’s pega as empresas americanas com maior número de queixas nos maiores sites de atendimento ao consumidor assim como nos órgãos de proteção ao consumidor. Essa seleção é então colocada a disposição do público para votação no site deles e, como dizem, a voz do povo é a voz de Deus.

“Ganhar esse prêmio é uma forma dos seus consumidores te mandarem uma mensagem. Que eles não estão contentes com você, que você os desapontou e que, você merece um enorme troféu de plástico em formato de cocô.” disse Chris Morran. Peter Moore respondeu apenas que “No ano passado as pessoas estavam bravas com o final de Mass Effect 3 e nossa posição em relação ao SOPA. Neste ano foi a SOPA, de novo, e nossos problemas com Sim City.” evadindo-se totalmente da culpa.

Hora de um reality check

A questão é que a posição da EA, relativa a Mass Effect 3, SOPA ou Sim City, é errônea. Na verdade a posição de ódio, quase mítica, que a empresa vem adquirindo ao longo dos anos parece fluir de:

Constantes compras de empresas bem sucedidas menores, com a intenção de “mineirar” as melhores franquias – normalmente destruindo-as;

A retenção das principais marcas de esportes do mercado, criando um monopólio de controle que, a grosso modo, acaba sustentando a política de preço atual de software que é empurrada, goela abaixo, no mercado inteiro, pela EA;

A relação altamente tóxica e destrutiva da EA com as microtransações;

Dentro do primeiro item podemos colocar as constantes interferências sofridas pela Bioware na produção de Mass Effect 2 e Dragon Age 2, que resultaram em games muito inferiores aos primeiros, e a atrocidade que foi Mass Effect 3, muito mais voltado para a ação e para o público casual, quase não retendo nada da fórmula do game original – graças a necessidade da EA de ganhar ainda mais dinheiro com a franquia. A posição, vergonhosa da gigante em relação a Pandemic, literalmente trancando os funcionários para fora da empresa de um dia para o outro, antes mesmo da demissão dos mesmos, para evitar roubo de código fonte e lançando “Le Saboteur” antes do jogo estar completamente testado e debugado também não ajuda em nada e o fechamento de diversos estúdios após a compra, claramente voltada para a aquisição hostil de propriedade intelectual dos mesmos.

Dentro do segundo item há vozes muito muito fortes, como a Nintendo, a Valve, a Blizzard e a própria Microsoft, contra a política de preço atual do mercado de games; “Os games simplesmente ficaram caros demais. A linha da própria Microsoft é lançado em um preço de mercado mais acessível e temos tido ótimos resultados com ele.” afirmou o porta voz principal da Microsoft para assuntos relacionados ao XBOX, Major Nelson – “O problema é sempre de percepção de qualidade. Quando um jogo é precificado abaixo dos US$ 60,00, no lançamento, sem uma pesada campanha de marketing por trás dele, ele é percebido como um produto inferior, mesmo que a produtora saiba que aquele preço não era necessário. Tornou-se a normalidade.”concluiu Nelson. Até 2005, no começo da atual geração, a EA não tinha tanta força de mercado para forçar o preço do mercado, mas com marcas como Dead Space, Fifa, Mass Effect e a distribuição, para a Sony, dos jogos Valve, a empresa tem todo o peso que precisa agora.

O que nos leva ao terceiro ponto, a relação horrível da EA, através de seus produtos, com o mundo das microtransações. Afinal a empresa não lança um produto completo, que ela torna mais acessível ou diferenciado através da venda de DLCs e expansões e sim produtos incompletos, quebrados ou mal-balanceados, que ela então libera melhorias, patchs e balanceamentos dentro de DLCs pagos. Isso é inadmissível! E a conduta de “pague para ganhar”, com vantagens absurdas dadas a quem pagar com dinheiro real por elas – sem suor nenhum é um desrespeito a todos que estão tentando conquistar o jogo normalmente. E não me entendam mal, sou completamente a favor de maneiras de tornar a experiência mais acessível: A Valve utiliza algoritmos de rede neural que regulam a dificuldade do jogo conforme sua habilidade nele, a Nintendo utiliza seu “super guide” de forma a auxiliar jogadores travados, entre outras tentativas. Mas ninguém deveria ter que pagar por isso! Em nenhuma situação!

E a EA nem mesmo faz segredo de seus enormes lucros com as microtransações, “Nosso modelo de negócio vem se tornando dependente das microtransações. Nos melhoramos games e jogadores.” soltou Moore. Se fosse feito do jeito correto, Ok! Mas do jeito que a EA faz você recebe coisas que deveriam estar dentro do seu já, imensamente, caro game de US$ 60,00.

Mas o pior é que Moore acha que a culpa não é da EA.

Jogando a culpa nos outros!

“Eu serei o primeiro a admitir que temos muitos problemas. Eles vão de servidores desligados muito cedo a jogos que não atingiram as expectativas, erros no modelo de precificação e, mais recentemente, os graves e diversos problemas com Sim City. Nós devemos aos jogadores uma performance melhor do que isso.” . Quando o COO Peter Moore soltou essa frase eu, do fundo do coração, achei que a EA tinha aprendido a lição. Ele iria se demitir, um novo COO e CEO viria, e o mundo melhoraria. Não foi o que aconteceu. O que houve foi uma tentativa patética de jogar a culpa da situação nas costas de outras pessoas. Começando com Sim City.

“Muitos jogadores acham que Sim City ser always-on é parte de um elaborado sistema de gerenciamento de propriedade intelectual digital (GPID – ou DRM em inglês, de Digital Rights Management). Não é. Mas as pessoas continuam insistindo e nós não temos como ser mais claros – não é. É parte integrante de como o jogo foi criado. Ponto final” afirmou Moore. Mas, peraí… EXISTE uma forma simples e direta de ser mais claro: Desative a função. Torne o online opcional. As pessoas vão ouvir… e vão apreciar! Pare de pensar que somos todos ladrões que querem roubar seu game!

De forma a desacreditar o conceito de pior empresa da América do ano, Moore atacou outras áreas “Nós vimos listas e mais listas pedindo que as pessoas votassem na EA como a pior empresa da América meramente porque não concordavam com a nossa escola de atleta para a capa de Madden NFL. O mesmo ocorreu com FIFA” e “No ano passado recebemos milhares de e-mails e cartas protestando contra a posição da Ea de permitir aos jogadores criarem e jogarem com personagens GLTS em nossos games (GLTS – Gays, Lésbicas, Transexuais e simpatizantes). Na semana que antecedeu a votação da Consumerist nós vimos centenas de sites fundamentalistas e religiosos pedindo as pessoas que votassem na EA como pior empresa da América, simplesmente porque nós permitíamos personagens GLTS.”. Certamente uma empresa que defende a existência de personagens virtuais GLTS não pode ser assim tão ruim, né?

Infelizmente os conceitos colocados pelo Sr. Moore são mentiras. Deslavadas, inclusive. A Consumerist verificou a origem do fluxo, caso links tenham sido utilizados, para averiguar a origem dos votos dados e não localizou um ÚNICO VOTO advindo de qualquer site que tenha atacado o posicionamento da EA em relação a GLTS ou os atletas da capa de qualquer game. Pior: Uma pesquisa da Kotaku não localizou sequer um local, em qualquer site ou forum de grande porte, voltado a esportes ou videogames, que tenha menção da EA ser votada como pior empresa da América por causa do atleta de capa de um NFL, FIFA ou qualquer outro game.

Sim EA, você merece a posição de pior empresa da América por uma série, imensa, de ações que vem minando o mercado que eu amo e respeito. Você é um Michael Bay dos games, um Steve Jobs (imbecil, controlador, louco, desmiolado com um penache por grandeza) dos games. E o mercado estaria melhor sem você. Mas não aceitem a minha opinião, não. Vamos ver o que pensam outros analistas pelo mundo:
Paladriver, da Joystick

I don’t dislike EA because they are pro-LGBT. In fact I am supporter of LGBT rights. I dislike EA because they have a long standing history of anti-consumer practices. Not liking EA does not make me anti-LGBT, it makes me anti-EA.” (Eu não deixo de gostar da EA por ela ser pró GLTS. De fato eu apoio de coração os direitos de GLTS. Eu não gosto da EA pela longa história de práticas anti-consumidor que ela tem. Não gostar da EA não me faz anti GLTS, me faz anti EA).
GoodNewsJimDotCom, da Slashdot

I think it is pretty sinister for him to dredge up “US vs THEM” protesting in his “apology.” Remember, one thing EA does is to hire fake protestors to get controversy for their game! Stay classy EA. Even in your apologies, you ooze evil.” (Eu acho muito sinistro para ele (Peter Moore) utilizar o adágio do “Nós contra eles” protestando em sua “desculpa”. Só para lembrar a EA já contratou protestadores falsos só para criar controvérsia sobre um game! Mantenha a Classe EA. Mesmo em suas desculpas você vaza maldade!”

E… meu mestre e grande inspiração Ben “Yahtzee” Croshaw, da Escapist

NO EA! You do not get to Spin the story and take the Moral high ground on this shit! Don’t try to fool people by lumping these intolerant assholes with the people actually making legitimate complaints against your practices. You don’t get to try to make yourself look progressive like that.” (Não EA! Você não vai girar essa história e sair com em condições vantajosas morais desta merda! Não nos faça de tolos combinando em um mesmo lugar pessoas com reclamações reais de suas práticas e esses cuzões ignorantes. VocÇe não vai conseguir se fazer parecer progressiva assim.)

eagoldenpoowcia2013
E no final, ainda sem respeito

Videogame é uma indústria multibilionária que atrai alguns dos maiores nomes do mundo na área de entretenimento, música e esportes, mas é tratada, tanto pela mídia como pelo mundo dos negócios como um reduto de perdedores. Companhias como a EA estão mais do que felizes em alimentar o mundo com a imagem de que o gamer “médio” é um reclamão, perdedor, sem meios de sustento e sem vida social que vai a internet reclamar de qualquer coisa, na tentativa de esconder os erros de seus próprios produtos, métodos e precificação.

E aqui vai a pergunta do Mini para você, Peter Moore: Se a sua empresa está engajada na produção de algo que é tão trivial que está acima até mesmo do descrédito dado por um troféu plástico em forma de cocô, porque você continua nela?

Agora é oficial! A Valve terá um videogame! Ou algo assim ^_^!!!

Rumores que a Valve estaria buscando uma solução em hardware para trazer o Steam para mais jogadores vinham circulando, a mais de um ano, pelas interwebs e pelas E3s da vida. Metade do universo de produtoras, tanto em hardware quanto em software, estavam convencidas que a Valve não entraria no mercado em nenhum nível ou formato, além do que ela já está inserida. Uma outra parcela de produtoras tinham reações mais alvorossadas diante dessa possibilidade, indo do diretor financeiro da Sony Entertainment Division prevendo fogo e enxofre sobre a Valve, caso ela tentasse, a empresas como a Eletronic Arts, que fez parte do consórcio 3DO, lembrando o quanto é difícil e custoso emplacar um console.

Ok! Big Picture, o sistema da Steam que permite utilizar a distribuição digital diretamente de TVs licenciadas, sem nem mesmo o uso de algum apetrecho de auxílio já estava chegando. E eu posso conectar um computador a qualquer uma das minhas TVs, aqui em casa, simplesmente pegando um cabo HDMI ou DVI ou VGA e conectando a TV. “O que eu ganho com isso?” seria a pergunta mais sensata!

“Eu acho que nossa ideia é o melhor dos mundos. Não mais você terá que pensar “O que os meus amigos estão jogando?” ou “Onde os meus amigos estão jogando?”, todos estarão unidos e terão acesso, instantâneo,  ao que quer tenha sido colocado no Steam naquele minuto. E as produtoras vão descobrir que é muito mais fácil e rápido chegar em seus consumidores sem ter que passar pelo crivo de distribuidoras ou pelo demorado processo de vendas convencional. Nós acreditamos que a empresas embarcarão muito rápido.” disse o presidente da Valve, Gabe Newell, a Kotaku.

E a pergunta é: Então a Valve está lançando um videogame?

E a resposta é: Não… mas é quase.

Pelo que Gabe Newell,e os outros executivos da Valve, estão explicando a empresa registrou um contrato de manufatura com três gigantes da informática para criar um PC modificado voltado para rodar Steam. Ok, Marcel! “PC modificado voltado para rodar X sistema operacional” = Console, ok?! Não… não Ok… porque o sistema da Valve vai aceitar a instalação de peças específicas, como novas placas de vídeo ou novos sistemas de input e output, que seriam “muito complicados ou impossíveis no padrão do console normal.” afirmou a Valve.

“Quando um console chega na metade do seu círculo de vida quase tudo que é lançado para ele já tem que sofrer enormes modificações, pois a tecnologia não está mais “lá”! Código evolui muito rápido e hardware vem atrás compensando ou ampliando essa necessidade. Mas um console, hoje em dia, é uma caixa fechada que todo mundo tem que aprender a usar. A Valve não vai forçar seus parceiros a isso. A muita facilidade na flexibilidade que podemos dar as produtoras. E podemos fazer isso com módulos simples que podem ser comprados pelo usuário caso ele, ou ela, tenha necessidade de um upgrade. Sem assistência técnica. Sem jogar fora seus controles ou trocar o aparelho central da sua sala. Coloque o módulo, baixe o pacote de instalação automaticamente, sistema melhorado.”. Ora… então é um PC?

Quase isso. Parece que a Valve quer um híbrido entre a facilidade que o PC dá de upgrade e as facilidade de uso que um console dá. Compre um jogo via Steam, faça o download (ou jogue pro Streaming) e, se precisar de mais poder de fogo, compre novas placas em módulos instaláveis que podem ser colocados no seu console. Confesso que o conceito é sedutor, mas, sabendo um pouquinho, como eu sei, de como funciona arquitetura de um PC (ou de um videogame) estou realmente coçando a cabeça pensando como a Valve (ou suas parceiras) vão resolver o desafio técnico de um PC pequeno, poderoso e que possa sofrer imensos upgrades sem perder velocidade ou se tornar um algo horrendamente obtuso e desagradável na sua sala.

Considerando que, com exceção de DOTA 2, que está em fase finais de Beta, não há mais nenhum jogo da Valve no horizonte (pelo menos que nós saibamos) estaria o senhor Newell guardando munição (e considerando que estamos falando dos criadores de Half Life, Portal e Left 4 Dead – munição traçante, perfurante, anti blindado de alta velocidade) para seu próprio “console”? E esse novo amor declarado pelo Linux, que tomou a Valve de assalto? E como ficaria o mercado com Xbox 720, PS4, Wii U, Ouya e Steam Box? Deixem suas opiniões aí embaixo…

EA no Wii U = Conta na Origin

É isso mesmo! Para jogar qualquer game da Eletronic Arts no seu Wii U você terá que ter uma conta na Origin, que vai funcionar para os usuários de consoles na mesma medida da UPlay da Ubisoft e também como sistema de controle de acesso ao servidor. O registro é mandatory (obrigatório) e é requisitado assim que você colocar o jogo para rodar no console.

“As informações de seu Wii U ID serão transferidas automaticamente para a criação de uma conta na Origin. Isso não incluirá seus dados financeiros nem outros dados (saves, logs, etc…) relativos a jogos não produzidos pela EA.” diz a seção 3 do documento  “Information Provided To EA By Third Parties – Wii U” (Informações prestadas a EA por produtoras parceiras – Wii U). Isso parece colocar o Wii U em linha com o PS3/Ps4 e Xbox 360/720 que também precisam autenticar jogos EA na Origin.

O que você, consumidor, acha disso? Solte a voz aí embaixo!

Gostou de Kingdom of Alamur: Reckoning? Devia ter comprado mais de um então…

As duas empresas envolvidas na produção do RPG Kingdom of Alamur: Reckoning, a Big Huge Games e 38 Studios, estão fechando, despedindo todos os seus funcionários. Em comunicação das empresas fica claro que as demissões não são voluntárias nem disciplinares, mas sim advindas do fato que os custos de criação dos estúdios e do game só seriam cobertas se o game vendesse 3 milhões de unidade até o final do primeiro semestre deste ano – só que o game só vendeu 1,2 milhões de unidades até agora (dados de 24/05/2012) e a distribuidora/patrocinadora, a Eletronic Arts, resolveu puxar a tomada – exigindo a solvência imediata dos custos contratuais acordados.

Não é a primeira vez que a gigante Eletronic Arts literalmente fecha um estúdio dessa forma. Ela fechou a Pandemic (de Star Wars Battlefront e Le Saboteur) e mais 8 estúdios nos últimos 2 anos – quase todos da mesma forma. Quanto a Kingdom of Alamur o último DLC que estava em preparação vai ser terminado por uma equipe interna da EA Austrália e depois disso todos os projetos ligados a marca foram, segundo a EA, “… colocados em um hiato.”.

Nós do Mini desejamos toda a sorte do mundo aos funcionários das empresas fechadas e suas famílias.