Final Fantasy VII não será a sua experiência de outrora… e isso é muito muito bom!

Vocês sabem quando um rapper termina uma batalha e joga o microfone no chão? O famoso “Drop the Mic”.

giphy

Eu senti que a Sony fez isso COM A E3 2015 INTEIRA!!! Quando ela mostrou isso….

Eu sabia que, a partir daquele momento, nada menos do que um game do Wii U que realizasse sonhos e curasse o câncer conseguiria atenção. E por mais incríveis que fossem as demonstrações da apresentação da Microsoft a situação virara aquela conversa do final do primeiro vingadores…

Só que substitua “Eu tenho um exército” por “Eu tenho Retrocompatibilidade, Forza 6, Halo 5, Gears of War remake, Gears 4, Bro Force 2 e o jogo novo do Inafune” e “Nós temos o Hulk” por “Nós temos Final Fantasy VII Remake”. Drop the Mic. Sai da sala. Nem olha para trás.

Porque caras legais não olham para explosões!!!

E não me leve a mal… a Sony tem basicamente zero jogos exclusivos de qualidade para o final desse ano. Zero. Nada. Niente. Eu sei que todos os hardcore Sony Fãs estão pensando “Mas Marcel… e Uncharted Trilogy para Outubro?”. Ao que eu respondo “Vai vender para caralho. E  eu já joguei os três até quase cair os dedos da mão. Remasterizados não contam como jogos exclusivos de peso.”. A Nintendo tem um RPG, X, e um jogo do Yoshi – e acabou. Encanto a Microsoft tem o novo Halo (que provavelmente vai destruir de vender) e um nova Forza, fora o Gears que acabou de sair – o final de 2015 é deles e ponto final.

Mas nada disso… nada mesmo… se compara com a promessa de que… “Nós teremos FF VIII em 2017”.

Nós estamos falando DO mais importante RPG dos 32 bits. Estamos falando de um dos mais importantes RPGs de TODOS os tempos. Estamos falando de um game que quebrou o recorde de vendas do seu próprio gênero 5 vezes e dos outros gêneros 2 vezes. Estamos falando de um game que custou, a época, mais do que um filme curta metragem. Estamos falando de um jogo que introduziu mais gamers ao RPG nos EUA do que, provavelmente, os próximos 10 candidatos somados. Estamos falando de um game que ofuscou Chronno Trigger, Super Mario RPG, Terranigma e Final Fantasy VI (todos, na minha opinião, jogos melhores do que o FF VII de PS1).

E, no entanto, tudo que eu vejo são reclamações. Aparentemente os fãs que pediram por um remake por quase 20 anos, não estão contentes com a Square-Enix. Teriam eles anunciado que o game seria lançado aos pedaços? Que custaria US$ 100,00? O que teria irritado tanto os fãs?

Eu conto o que foi: Foi a declaração do diretor do game, o senhor Tetsuya Nomura, que o game seria bem diferente do game original. O artista e seu lead designer, falaram a Famitsu, a principal revista de videogame do mundo, que o sistema de combate será completamente remodelado e modernizado, de forma a trazer uma experiência mais fluída aos gamers, que não teremos personagens secretos e que a história será muito mais ampla e melhor explicada do que no game original. Ainda segundo o senhor Nomura, todos os personagens terão seus arcos de história mais bem definidos e muito mais completos, com ligações e explicações para quem nunca mergulhou no lore de Final Fantasy VII.

E tudo que os supostos fãs gritavam era: “Não toque no meu Final Fantasy VII !!!”.

Eu…

Estou…

Pasmo…

giphy (1)

Como é que é? Os caras estão saindo do caminho para modernizar FF VII e tudo que nós conseguimos fazer é reclamar? Pelo amor de Deus! Algum de vocês jogou FF VII recentemente?

Eu joguei. Na versão HD. No steam.

Por exatas 15 horas. Na primeira vez que tive que subir o nível dos meus personagens eu parei de jogar. E entendam… eu sou o cara que está com 109 horas de jogo em Dragon Age: Inquisition. E que tinha uma bateria com mais de 99 horas de FF VII. Eu sou o cara que está jogando Rogue Galaxy, com mais de 40 horas de bateria e explorando cada planeta e sou o cara que, com a mais absoluta certeza, vou jogar X Chronicles, no Wii U, até o cú cair da bunda. Eu não sou o usuário que não joga RPGs…. eu sou o usuário que joga em excesso.

E por que eu não consegui continuar? Porque, depois de 20 anos de modernizações, o sistema de combate de FF VII é simplesmente tedioso demais. CHATO “MERMO”!!! PRONTO FALEI!!!

Então sim… FF VII não só precisa de modificações. Ele precisa MUITO delas. A história, embora fantástica desde aquela época, precisa ser reescrita para ficar mais clara, e incluir informações que acabaram prestadas em outras mídias, como “Beyond Crisis” e outros games como “Crysis Core” (que tem um sistema de combate bem mais moderno e melhor que o de FF VII) e “Dirge of Cerberus” (porque vamos combinar que ninguém, ninguém mesmo, merece jogar Dirge of Cerberus com aquele esquema de controle xexelento). O subir de nível, as melhorias dos personagens… o famoso “UPAR”… tem que ser orgânico, vir naturalmente, com a progressão da história.

É só olhar para a Bioware, que vem fazendo isso a mais de 15 anos! Desde Baldur’s Gate e NeverWinter Nights, passando por Knights of the Old Republic e Swtor, e fechando em Dragon Age e Mass Effect (os três de cada) o ato de subir os personagens de nível acompanha as missões que você está fazendo, com recompensas e desafios sendo automaticamente escalados para o nível atual dos seus personagens. Não só isso torna a história ainda mais legal, abrindo mais maneiras de se resolver situações do que meramente bater em todo mundo, mas também permite que você explore o mundo do jogo a sua própria maneira e no seu próprio ritmo. Quer ser como meu amigo Bruno que explora cada parte do mapa e encontra cada pedacinho de papel com histórias do mundo do jogo? Vá em frente e jogue por 300 horas nosso game. Quer ser como o Fábio/Mahou que prefere Zeldas a Final Fantasy porque ele não tem a menor paciência para CGs, quanto mais para dezenas delas, em sucessão, e mais 60 horas de enrolação? Pule todas as CGs, faça apenas a aventura principal e termine o nosso jogo em 20 horas. Você pagou pelo game – deveria ter o direito de jogá-lo como bem entender.

E, antes de qualquer reclamação nesse sentido, eu entendo que J-RPGs são feitos da maneira como Final Fantasy VII ou Suikoden por questões de limitação de Hardware. Isso vem desde o NES. Você tinha que limitar como e quando a história podia avançar, por questões simples de tamanho da Rom e de capacidade de processamento. Esses problemas diminuíram severamente nos 32 bits e deveriam ter desaparecido nos 128 bits… mas isso nunca aconteceu. E, os J-RPGs vem perdendo espaço, embora ainda sejam games de nicho bem importantes no mercado, para jogos mais abertos aos “não iniciados” como MMOs, RPGs ao estilo americano, adventures e RPGs mais simples (como a série Paper Mario e Mario and Luigi RPG). Eu me diverti muito com Bravely Default… mas nunca terminei o game. Enquanto que eu terminei todos os meus Zeldas diversas vezes. E Dragon Age (e todos os seus DLCs) diversas vezes. Mass Effect então… eu tenho eles nas 3 plataformas e no Wii U. E terminei em todas.

Então sim… eu entendo que muitos e muitos e muitos fãs não queiram que nada seja modificado em seus Final Fantasy VII. Afinal… se o game foi legal nas 3 primeiras vezes que você terminou ele vai continuar legal agora, certo?! Mas o problema fica bem maior quando você olha sob a ótica empresarial da situação: Esse é o maior e o mais caro projeto que a Square vai assumir em MUITO tempo. Ele não pode falhar! Simplesmente não pode. E eles não são bobos… eles sabem que nós… fãs… vamos comprar na pré compra sem nem um único review ter saído. Então faz todo o sentido gastar os recursos tornando esse um game que atinja milhões de novos fãs e que esses novos fãs se juntem ao nosso enorme grupo. Assim como muitos de nós nos juntamos ao grupo de gamers que curtem RPG pelas mãos de FF VII lá em 1997.

Final Fantasy VII circa 1997 em HD graças a mods da versão do PC

Final Fantasy VII tem que ser modernizado. É uma questão de mais do que sobrevivência. É uma questão de provar, de uma vez por todas, que o que realmente nos impressionou e nos cativou nos últimos 20 anos, não foi upar um personagem até ele ser capaz de usar um Quad Knights of the Round, voltar 30 minutos depois e assistir o final do jogo. Foi ver um grupo de heróis improváveis se unirem para proteger o planeta do pior vilão ecológico de todos os tempos. E saber, por dentro, que ambos os lados estavam certos e errados ao mesmo tempo.

E que venha 2017. Que venha um novo Final Fantasy VII. E que venha um novo Sephiroth.

3104183-9587906474-sephi

Anúncios

Sobre Marcel Bonatelli

Historiador de games e jogador inveterado eu respondo todas as suas dúvidas sobre games e o mercado de games no site minicastle.org ou no email marcelbonatelli@minicastle.org

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s