Quer saber como será o novo MK X? A gente te dá uma mão…

A IGN soltou um vídeo com os primeiros 25 minutos do jogo… para quem está curioso se vale a compra!

O trailer também está logo abaixo!

Será que depois de MK 9 a Neverrealm aprendeu a fazer MK?

O que nós perdemos – Nro 9 – Raven Blade

O Game Cube foi um excelente video game – provavelmente meu segundo video game favorito em todos os tempos, perdendo apenas para o Super Nintendo, que era perfeito.

Como não consigo ouvir vocês discordarem, vou tomar que todos concordam com esse posicionamento e portanto prosseguir.

Infelizmente, ao contrário de seu irmão mais querido, o Game Cube tinha uma falha terrível: Falta de RPGs. Sim, para cada 10 adventures incríveis no Cube, havia um Skies of Arcadia. Para cada 25 FPS bem legais, havia um Baten Kaitos. E eu nem estou falando de J-RPGs pura e exclusivamente – o Cube tinha poucos RPGs de todos os tipos e ponto final.

Embora a maior parte dos RPGs dele fossem completamente incríveis e realmente muito bons.

Sabendo da importância de jogos de qualidade, e principalmente de bons RPGs para chamar de seu, principalmente depois do fiasco que o Nintendo 64 foi nesse departamento (ele tinha dois bons RPGs e ambos foram produzidos pela própria Nintendo), a Nintendo pediu que a Retro, sua nova second-partie (second-parties são empresas externas que assinam contratos de exclusividades com produtoras. É como a Naughty Dog, da série Uncharted, com a Sony ou a Fun Science, de uma gigantesca quantidade de jogos de Kinect, e a Microsoft) criasse não um, mas dois RPGs, para o lançamento do Game Cube. A produtora ainda estaria trabalhando em um projeto ligado a Metroid e um jogo de futebol americano.

Pegar uma empresa pequena, trabalhando com meras estimativas da capacidade computacional final do seu Hardware, e pedir para ela produzir 4 jogos diferentes era pedir por um desastre. E um desastre quase ocorreu – mais de um semestre de trabalho e a firma tinha quatro Alfa que não encantaram a Nintendo. Mudanças urgentes eram necessárias e Shigeru Miyamoto, o papai Mario, viajou de Kyoto para Houston a fim de colocar as coisas de volta nos eixos. A primeira mudança de Miyamoto foi cortar dois dos projetos: O de Futebol Americano foi esquecido e engavetado e os dois RPGs foram mesclados em um único RPG de ação. Toda a equipe que estava trabalhando no Futebol Americano e metade da equipe dos RPGs foi enviada para a equipe do Projeto Metroid.

Todo mundo sabe o que o projeto Metroid virou. Ele simplesmente redesenhou o que era adventure em primeira pessoa:

Metroid Prime ainda é incrível!

O RPG continuou o desenvolvimento, bastante lento visto a pequena equipe e a enorme dificuldade deles em criar um hibrido de ação com beating up, e foi mostrado na E3 de 2000, ainda sem nome (era internamente chamado de Retro Studios RPG), e novamente na E3 de 2001, com o nome de Rune Blade. O lançamento do aparelho havia chegado e a Nintendo precisava urgentemente de jogos de nome e com peso, para tirar unidades da prateleira, e o board achou que Metroid Prime era uma pedida melhor que Rune Blade, que estava sendo renomeado para Raven Blade. Toda a equipe da Retro então ficou voltada para terminar Metroid Prime o mais rápido possível (e torná-lo o melhor possível) para o lançamento no Cube. Raven Blade foi novamente deixado de lado.

Quando o desenvolvimento retornou ao jogo a Nintendo ainda não estava contente com os resultados mostrados pela Retro, e estava preocupada que, com a fantástica recepção de prime, uma continuação se tornava mais do que necessária. Depois de meses de novas tentativas, mudanças gráficas e tentativas de sobrevida para o game, Nintendo e Retro chegaram a conclusão que era hora de tirar Raven Blade do suporte de vida. Em junho de 2002, durante a E3, ambas as empresas confirmaram o cancelamento do game.

Segundo diversos envolvidos no desenvolvimento do game nada do protótipo foi perdido, visto que o game era extremamente ambicioso, e que o Hardware do Cube simplesmente não conseguiria entregar tudo que os designers queriam. Será que veremos Raven Blade ressuscitado no futuro? Só o tempo dirá.

Nintendo revela o preço de Mewtwo!

Se você comprou Super Smash Bros no Wii U   E   no 3DS   E  registrou os dois no club Nintendo até 31/03/2015 você é o feliz dono de um Mewtwo, um personagem novo completinho para usar tanto no seu Wii U quanto no seu 3DS, em lutas fantásticas.

E não… ele não parece com o Lucario!

Caso contrário você poderá adquiri-lo a partir de 23 de Abril, separadamente em cada plataforma por US$ 3,99 ou por US$ 4,99 para ambas as plataformas. Não precisa ser um matemático para saber que mesmo que você não tenha um dos jogos (ainda) vale a pena comprar o Super Pokemon Clonado em sua versão dupla.

E o Mini acerta mais uma previsão: Quantum Break diz adeus para 2015!

Nós dissemos que Zelda iá atrasar…. atrasou.

Nós dissemos que Hardline iá ser curtinho… é.

Nós dissemos que vocês não veriam Quantum Break, exclusivo do One em produção pela mesma equipe de Alan Wake, em 2015 N E M   F O D E N D O…. Tá ficando chato estarmos sempre certos!

Sim! Quantum Break se junta a Zelda do Wii U e a Uncharted 3 e se muda, de mala e cuia, para 2016. Segundo a Remedy e a Microsoft o tempo maior vai permitir “uma experiência mais polida e mais sólida no jogo”. Não que alguém vai sentir falta no One… vão estar todos, em absoluto, massivamente, jogando Halo 5 E Star Wars Battlefront 3.

Nascido de uma brincadeira: O Smart Boy da Hyperkin vai realmente chegar nas lojas!

No dia primeiro de abril, dia internacional da mentira, a Hyperkin, uma empresa que produz diversos clones de videogames retrô, soltou uma nota oficial que lançaria um acessório para iPhone 6 que permitiria o uso de cartuchos de GameBoy e GameBoy color no celular: o Hyperkin Smart Boy.

Era para ter sido tudo uma brincadeira. Mas a empresa recebeu uma quantidade cavalar de pedidos. E lojas de celulares e de artigos para videogame começaram a ligar atrás de datas e tudo mais.

65432ed8_HdXNKpq.xxxlarge_2x

E a brincadeira vai virar realidade: a Hyperkin vai mesmo lançar um acessório para o iPhone que permite transformá-lo em um Game Boy Color.

Se a Nintendo não entrar na justiça antes, claro. Ou a Apple. Ou as duas. Mas as chances disso são pequenas.

De qualquer forma o acessório será bem interessante, principalmente porque vai permitir o uso de cartuchos originais dos aparelhos, permitindo um retorno ao uso de diversos itens retrô da coleção de um monte de gente. Eu mesmo já estou salivando.. e eu nem tenho um iPhone.

Jogando: Battlefield: Hard Line

Eu já declaro no começo desse review que não sou um especialista em Battlefield mas que adoro filmes policiais. Acho importante colocar isso aqui porque, com a mais absoluta certeza, isso coloriu minhas impressões de Battlefield: Hard Line o suficiente para me fazer gostar do jogo.

Ainda não acho que ele vale US$ 60,00 … mas não é ruim não….

Então vamos por partes, começando pelo que já sabíamos e esperávamos: O Multiplayer. O Multiplayer de Battlefield: Hard Line envolve menos veículos e mapas menores, e com menos gente, que os de Battlefield 4. Nada de jatos ou tanques, você terá acessos a carros que parecem fugidos de Miami Vice e a blindados de pacificação urbana. Há, essencialmente, 4 variações do padrão de equipe de policiais VS equipes de bandidos, variando por sistema de objetivos e tags a o velho e bom “mate todo mundo na outra equipe” – não é inovador, mas é bem mais vertical que Battlefield, com muitos pontos onde camperar pode ser usado quase como um esporte olímpico.

E sabe o que mais me impressionou? É bem divertido! De novo quero lembrar a todos que eu gosto de filmes policiais e de caças a bandidos e tudo mais, mas esse foi o multiplayer de Battlefield mais divertido que eu tive em muito tempo.

Sim… é bem legal mesmo!

Mas, como todo mundo que lê o Mini sabe, eu não ligo muito para multiplayer. Jogo, principalmente se meus amigos estiverem jogando, mas gosto muito mais de campanhas co-op do que de multiplayer padrão – e muito muito muito mais de single player com uma boa história. E foi aí que Hardline realmente me surpreendeu. Porque a história é realmente bem legal!

Veja bem… ela não é original. Nem um pouco. Mas rouba ideias boas, de tantos filmes bons, e os aplica de maneira tão legal, em sucessão e dentro do esperado, que, se você gostar do material fonte, que vai de Dirty Harry a Miami Vice, passando por CSI e com uma pontinha de Fogo contra fogo, você não via conseguir segurar um sorrisinho.  E saber todas as reviravoltas muito muito antes do final.

Battlefield: Hardline vai te dar 8 a 12 horas de campanha de boa qualidade – o tipo de filme que eu levaria meu pai ou meu irmão assistir, cheio de frases de efeito, chavões bem colocados e ótimos momentos de ação. O fato que você pode escolher como jogar, onde colocar os tiros, se quer apenas desarmar ou se vai matar cada pessoa na sala, e que isso tem efeitos em termos de pontuação e habilidades, é muito muito legal. O multiplayer é bem bacana e trabalha super bem com os chavões e os clichês do gênero, com especial atenção ao balanceamento e ao uso de itens. Eu só acho que, pelo tanto de conteúdo efetivamente contido no game, que é, essencialmente, do tamanho de um DLC, ele não deveria custar US$ 60,00 ou R$ 179,00.

Mas a cada um o que cada um quer… e Hardline não é nem de perto um jogo ruim.

Bom divertimento

Cace a verdade! Halo 5 começa a criar um Hype enorme!

A Bungie era fantástica em criar Hype para a franquia Halo durante todo o tempo em que ela permaneceu no comando da mesma, seja através da contratação de cineastas reais para nos deixar loucos por Halo 3…

… seja com backstory fantasticamente entregue através de videodocs…

Confesso que a 343 não fez um serviço muito bem em criar Hype para Halo 4 como a Bungie fez com Halo: Reach (onde a internet estava essencialmente se descabelando para colocar a mão no game antes do lançamento dele) mas eles parecem estar aprendendo a usar a publicidade… começando com uma campanha dupla de trailers maravilhosos chamado “Hunt the Truth” (Cace a verdade).

A versão do Spartan Locke

A versão do Chief

Minha teoria é que uma das cenas é a correta e a outra é a informação que chegou a Oni. Mas só vamos saber no lançamento do game no dia 27 de Outubro deste ano!

Já estamos salivando!