Jogando: HALO: Master Chief Collection

Ok! Agora que HALO: Master Chief Collection está “jogado”, embora eu tenha todos os jogos que estão “remasterizados” nesse pacote, consigo entender que HMCC é o primeiro jogo essencial do XBOX One.

Também é um pouco desapontador se olhado sobre certos ângulos.

Vale lembrar nesse ponto que, ademais eu e o dono do XBONE tenhamos tido uma boa experiência com a coleção, assim como com os jogos originais, NÓS NÃO TESTAMOS ABSOLUTAMENTE NADA DO MODO MULTIPLAYER de HALO: MC Collection.

NADA – NIENTE – ZERO

Isso se deve a uma combinação única de EU não ter mais Live Gold, ELE nunca ter tido Live Gold e nosso interesse principal ser o modo single player. Assim que eu conseguir jogar o modo multiplayer (ou como guest na casa de alguém ou quando Battletoads se juntar a Killer Instinct na minha lista de coisas que preciso jogar num XBOX One, e eu acabar comprando um) eu farei um review dele. Se o restante da coleção for um presságio, ele não deve ser muito diferente do multiplayer de Halo 4 (cujo review você pode ler aqui).

Então vamos lá, por partes. Quando você ativa sua cópia de Halo: Master Chief Collection (que vou passar a chamar de HMCC) você é apresentado a uma bela animação, com cortes de todos os games da série, com especial atenção ao centro da coleção, que é Halo 2 Anniversary, seguido de acesso ao HUB principal. O Hub é literalmente o coração de HMCC: dele você acessar qualquer um dos 4 jogos, o multiplayer, as listas de desafio (challenges) e as listas de jogos (playlists). Todos os 4 jogos da coleção (Halo: Combat Evolved Anniversary Edition, Halo 2: Anniversary Edition, Halo 3 Remastered e Halo 4 Remastered) estão disponíveis em abas próprias, com todas as caveiras disponíveis para ativação imediata (encontrá-las nos games ainda rende achievements) e todos os capítulos e estágios prontos para serem acessados imediatamente – ou seja, se você entrou aqui para jogar “Girls like armor plating” de Halo 2 (terceiro ou quarto estágio do segundo capítulo) você pode, direto do Hub principal, sem nem mesmo ter jogado Halo 2 ainda. Além disso você pode usar as playlists para jogar só as missões com espadas (Blades), só as missões com veículos voadores (Wings), só as missões com o Hog (um modo carinhoso de chamar o Warthog – o “jipe” principal da UNSC) (Hogs), entre dezenas de outras permutações. Não só isso mas você ainda pode criar suas próprias listas e deixá-las disponíveis para seus amigos na Live – e as playlists criadas pela 343 tem achievements próprios, separados daqueles dos estágios principais (aqui vale uma explicação: se você jogar um estágio qualquer de uma campanha, pela primeira vez, através de uma playlist, e aquele estágio tiver uma conquista qualquer que pode ser realizada nele, por exemplo “Midnight Launch” de Halo 4, e você atingir os requerimentos da conquista, você ganha a conquista e ponto final. Mas com uma única exceção entre as playlists, estágios e capítulos completados em Playlists não liberam seus respectivos achievements).

O principal modo de jogo, inclusive, é uma playlist, por assim dizer: The Master Chief Saga é uma playlist muito especial que soma os 4 jogos com cenas extras que explicam o que aconteceu depois de Halo 4, como os acontecimentos de Halo: Infinity se encaixam na campanha e como o personagem de Halo 5, Locke, caiu de paraquedas em tudo isso. Essa é a única playlist onde, por motivos óbvios, terminar a capítulos e estágios rendem seus respectivos achievements.

Por motivos óbvios eu não terminei essa playlist e estou muito curioso sobre a história externa aos 4 jogos.

Tá… tudo isso é muito legal… mas e os jogos Marcel? Então… e aí que a porca torce o rabo… por assim dizer; você pode gostar ou não disso, mas eles são muito parecidos com suas versões de 360.

Halo 4 é quase que exatamente igual ao jogo de 360. Quase mesmo – as diferenças são menos nítidas do que foram em Assassin’s Creed IV ou Titanfall, por exemplo. As texturas estão um pouco melhores, a iluminação funciona melhor, as sombras não tem um atraso característico do PS3/XBOX 360 e o jogo roda liso em 1080p. A maior diferença gráfica, que todo mundo vai notar, principalmente se tiver um TV de Led com um refresh alto, é quão mais rápido e fluído o game ficou em 60 fps. Halo 4 já era um game extremamente bonito e atraente em sua concepção, levando o hardware do 360 ao limite, e agora, mais rápido e ágil , ele é um game ainda mais incrível. Caso você não tenha tido a oportunidade de jogar Halo 4, aqui está o review do mesmo aqui do Mini.

Halo 3, provavelmente por ser mais velho, tem diferenças bem mais notáveis, mas ainda assim não tão extremas. De novo, a principal diferença é quão mais fluído e limpo o jogo fica rodando em 60 fps, principalmente em cenários abertos como os do entorno da rodovia ou no combate com vários Scarabs. Ainda assim eu tenho a constante sensação que as texturas de Halo 4 e/ou Halo: CE Anniversary, foram aplicadas sobre as texturas originais de Halo 3. O jogo parece mais, na falta de uma palavra melhor, colorido, com imagens mais vivas e uma iluminação bem melhor do que a original (jogadores e inimigos tem sombras dinâmicas em formato correto dependendo do ponto de iluminação – isso torna certas cenas, perto de chamas, extremamente mais charmosas de jogar). Ainda é Halo 3 e, se você não gostava do game no 360, as mudanças feitas nessa versão não vão fazer de você um fã.

Halo: Combat Evolved Anniversary Edition é um caso engraçado: ele é a melhoria de uma melhoria! Sua versão “original” lançada em 2011 para o 360 já era um remake do Halo original de 2001, lançado para o XBOX Clássico. E como ele ficou nessa versão?

Em uma palavra? Esquizofrênico.

Halo: CEAE era um remake de um game feito com um novo motor gráfico trabalhando em uma geometria que tinha 10 anos quando ele foi feito. Já ficou “excêntrico” lá atrás, mas quando você adiciona uma série de novas tecnologias a essa mistura a excentricidade fica ainda mais acentuada. Iluminação se comporta de uma forma em ambientes fechados e de outra em ambientes abertos, o aumento de resolução deixou claro que diversos efeitos cosméticos foram aplicados a objetos e não fazem parte do cenários (por exemplo o efeito de jogar cascalho ou areia para cima e para trás, quando um Warthog começa a se mover, fica claro que o efeito foi aplicado aos pneus , não ao ambiente) e a animação dos personagens é simplista e antiquada quando comparada com a de Halo 3 e Halo 4. Ainda assim é um dos meus jogos favoritos e o que eu mais tenho vontade de jogar de novo, com espaços enormes abertos, muita exploração e uma história extremamente interessante que mudou o conceito de fps em consoles. E o jogo rodar macio a 60 fps não machuca em nada a diversão. O review do Mini do game aqui.

Música e controle nestes três games permanecem exatamente iguais ao que eram no 360: Perfeitos!

E o cerne da coleção: Halo 2 Anniversary. Eu tinha muita esperança que Halo 2 Anniversary saísse ainda para o 360 – mas a César o que é de César, essa versão do jogo é muito muito boa. Um colírio para aqueles que, como eu, consideram este o jogo mais importante do XBOX Clássico. Lançado no aniversário de 10 anos da versão original Halo 2 Anniversary traz a campanha refeita com gráficos de ponta, mas utilizando as mesmas vozes (salvo para cenas novas, onde os atores originais foram chamados para realizar suas vozes de novo) e as mesmas músicas e efeitos sonoros, para trazer a experiência de Halo 2 para uma nova geração. Ainda contém o mesmo final em aberto (feito as pressas porque a Bungie não teria tempo de finalizar o game como ela havia sido originalmente concebido a tempo de entregá-lo para Novembro de 2004) e ainda contém diversos momentos de diálogo que vão fazer você coçar a cabeça em completo descrédito, mas, por outro lado, ainda contém as incríveis, longas e fantásticas imensas cenas de ação, com o super mega power ultra vitaminado Master Chief chutando traseiros pela terra e além. As cenas em CG, feitas pela mesma equipe da Blur, que as cenas extras criadas para ligar esse game a Halo 5 Guardians, são de explodir a tanga da menina dos olhos!!! Meu Deus!!! Eles conseguiram me deixar realmente amedrontado com o líder do Flood, o Gravemind, que deixou de parecer um tentáculo verde e agora parece algo saído de um livro do Lovercraft (Dentes… Dentes por todo o lugar).

O nostálgico primeiro estágio!

As cenas lado a lado!

Considerando a qualidade gráfica, sonora e de controle de Halo 2 Anniversary, ele, sozinho, já valeria o preço que está sendo pedido pelo conjunto todo. Somando a média de 10 horas de cada campanha e desconsiderando as playlists e o multiplayer já são 40 horas de single player (ou multiplayer cooperativo) da mais alta qualidade pelo mesmo preço que você teria um Collofeduti da vida. Se você juntar as mais centenas de horas (centenas… eu e meu pelotão temos centenas de horas de Halo:Reach em nossas cabeças – descubra aqui porque) que você terá de diversão no muliplayer HMCC se torna uma compra imprescindível no console da Microsoft. Se você tem um XBOX One esse é um jogo que você tem que ter. De qualquer jeito.

Let’s finish the fight…. Again…

Halo-The-Master-Chief

PS: Pedimos desculpas por não ter “XBOX Record This” nada… mas o Kinect dele está desmontado desde o dia que a atualização permitiu.

Anúncios

Sobre Marcel Bonatelli

Historiador de games e jogador inveterado eu respondo todas as suas dúvidas sobre games e o mercado de games no site minicastle.org ou no email marcelbonatelli@minicastle.org

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s