Filmes da Warner no seu Wii!!! Mas só se você for bonzinho….

… e…. morar no… … (aham – limpa a garganta) … Japão!

O Wii já tem canal de vídeo, isso nos todos sabemos! Mas agora uma empresa quase desconhecida quer se juntar a Nintendo na empreitada de benjamin-button-booknewlevar filmes ao seu videogame favorito: A Warner Brothers Inc. Quer downlodar e assistir Batman Begins, Contato, Último Samurai, Goonies, Free Wily, A fantástica fábrica de chocolates (versão Tim Burton) e 2001 – uma odisséia no espaço? Pague 300 Wii points e você terá o filme em um download disponível para você. O download fica em seu sistema por 48 horas (controladas pelo relógio interno do Wii) e então se apaga.

A empreitada é possível graças ao “Everyone’s Theater”, um canal de vídeo sob demanda baseado em Wii Ware, distribuído no japão pela Fujisoft, pelo preço módico de 500 Wii points – que são pagos no momento do download do player. Só com o player o serviço se abre e a pessoa tem acesso a animes, novelas, programas de auditório e telejornais das duas maiores tvs do japão: A NHK e a Tokyo Tv.  Os vídeos vem por streaming, em qualidade de DVD (480p).

Embora os títulos de lançamento do serviço sejam clássicos, já com alguns anos nas costas, a uma exceção “The Curious Case of Benjamin Button” (o curioso caso de Benjamim Button – com Brad Pitt) chega para serviço na mesma data que o DVD e o Blue-Ray chegam as locadoras. A Fujisoft pretende disponibilizar mais títulos em breve.

Antes que atirem a primeira pedra, o serviço AINDA é exclusivo ao japão. Mas solidifica a posição do Wii como centro de entretenimento caseiro (Famicon – Family Computer) e mostra que o streaming de vídeo é possível, sim, no Wii.

batman-begins-ready-to-rumble

Anúncios

Fãs de Dragon Quest IX botam pra ferver!

Poucas coisas são tão japonesas como RPG! Poucas coisas são tão japonesas como portáteis! Poucas coisas são tão japonesas como a Square! NADA É MAIS JAPONÊS QUE DRAGON QUEST (CONHECIDO COMO DRAGON WARRIOR POR LÁ) !!! Então não foi surpresa para ninguém quando o game vendeu 5 milhões de cópias no Japão…. … em 6 dias! São 833.333,333333333333 cópias por dia! Aproximadamente 34.722,22 cópias por hora! MAIS DE 500 CÓPIAS POR MINUTO !!! E na verdade a tara (quantidade vendida por hora/minuto/dia/mês) é ainda MAIOR pois a maior parte das lojas japonesas não fica aberta 24 horas por dia!!!

Alguém na Square deve estar muito feliz!!!

Graças a esse resultado a série Dragon Quest ultrapassa a barreira dos 50 milhões de vendas no arquipelágo. Agora a Square se prepara para uma mega operação de marketing que pretende levar o novo game para os EUA – e fazer dele o jogo mais vendido do DS!

Já estamos salivando!

dragon-quest-9-set-for-ds-20061211114833383_640wdragon-quest-9-ds

Wii Fit Plus baratinho, baratinho

Se você está preocupado com o quanto vai gastar para continuar vivenciado divertidos novos exercícios em sua casa, depois de gastar mais de R$ 390,00 no jogo original mais o Wii Balance Board, pode continuar seu bambolê com mais tranquilidade – vai ser mais barato.

Tendo em vista que o game será lançado em duas edições, uma com o Wii Balance Board e outra sem, fontes internas da Nintendo confirmam que você, que adquiriu o primeiro game com o Wii Balance Board, vai gastar algo entre US$ 18,00 a 25,00 para ter o novo game. É quase o preço de um downloadable content, só que você tem um diskinho novo para brincar.

É claro que se você não pegou o jogo original terá que optar pelo pacote completo, que deve custar algo entre US$ 60,00 e US$ 70,00… elevando bastante o valor final. Aposto que agora US$ 55,00, o preço inaugural do primeiro Wii Fit, parece uma pechinca. Não é?!

wii-fit-headerwii-fit-plus

Nintendo te ensina a fazer dinheiro….

… ou quase isso.

Não se preocupe. Sua empresa do coração não irá ensiná-lo a falsificar notas ou a vender drogas. A Nintendo tem, ao longo de todos esses anos, sido muito boa em 2 coisas: Ganhar dinheiro e fazer jogos. Agora ela resolveu somar essas habilidades.

You’ll Incur Losses If You Remain Ignorant: How Money and Things Work DS.” é o novo game da Big N que irá ensiná-lo a investir em ações, futuro e commodities, além de dar-lhe lições valiosas sobre o funcionamento da economia e o manutenção de uma vida econômica regrada. Sabemos que parece um conceito bizarro para um game, mas lembre-se que estamos falando da empresa que criou Wii Fit e Brain Age.

O game está sendo co-desenvolvida pelo Nihon Keizai Shimbun, a bolsa de valores japonesa, como uma maneira de influenciar e educar investidores e (potenciais) futuros investidores. A empresa, mas conhecida no mundo todo pelo nome comercial de Nikkei, está provendo, nomes, gráficos e algorritmos de comportamento reais de ações para a Big N. Se for um sucesso por lá, com certeza teremos o gostinho por aqui.

O Japão recebe essa maravilha dia 27 de agosto, por 3,800 yen.

2132385149_view2132385152_view

Jogos Difíceis, Jogos Pedreira, Jogos Impossíveis ! Eles te divertem?

Videogames, como todos sabem, nasceram como uma forma de diversão pública, e seus mais diretos ancestrais são as máquinas de leitura da sorte e pinball que se abarrotavam em parques e bares do começo do século 20. As primeiras apresentavam sua sorte por uma moeda… e eu imagino que o fator replay de uma máquina dessas fosse muito baixo (eu sei… péssima piada) mas o pinball era uma história completamente diferente; construído do início ao fim para levar suas economias em direção a derrocada a máquina era impiedosa, engolindo bolinha após bolinha em cada mínimo erro seu, pedindo sempre mais moedas para liberar mais um grama de diversão – por vezes o erro era verdadeiramente seu, por vezes era incompetência do desenhista da pista (o nome que os colecionadores dão as “áreas de jogo” das máquinas de pinball) e por vezes era um problema mecânico da máquina, mas isso não importava… ops! Lá se foi sua última bolinha… insira outra moeda.

Essa metodologia viajou para os arcades, quando eles surgiram na década de 60, fossem eles beat-up (como Double Dragon) ou Amusements (o nome que o David Wrick, do “History of Video Games” dá para games como Dig Dug e Pac Man) você era constantemente desafiado a vencer a máquina, colocar seu hi-score, e gastar partes expressivas do seus rendimentos em fichas. O Atari não mudou muito a história… poucos games possuíam final e com isso as brigas contra o sistema era para durar mais algum tempo e jogar mais e marcar um hi-score.

ninja_gaiden_ii__the_dark_sword_of_chaos rockman2bionic-commando-20080602094142079_640w

Só que aí surgiu o Nes. Um faixo de luz no meio da inequidade que era a raça humana na década de 80 o Nes trouxe melhores controles, melhores gráficos, melhores sons e histórias imensamente adequadas ao videogames da época, mas uma coisa não mudou… em sua absoluta e completa maioria os jogos eram difíceis… as vezes insanamente difíceis. E eu não falo de um jogo “quebrado” – onde a dificuldade é criada por um glitch ou um problema de controle – e sim de jogos difíceis por serem assim desenhados. Jogos programados do início ao fim para não só te derrotar… mas chutar sua bunda no processo. Jogos como Mega Man (o 2 era um pesadelo), Ninja Gaiden (tente terminar o primeiro e verá quão excruciante é) e o famoso Contra (que era impossível mesmo com as trinta vidas do código Konami – imortalizado em cartazes, episódios dos Simpsons e camisetas) faziam o possível e o impossível para acabar com sua raça.

A questão é: Era divertido?

3051713-1-konami-code contra_ok

A resposta: Sim!!! E não!

Sim, todos os jogos citados são games excelentes e eu tenho todos eles em algum formato (Megaman 2 no Megaman Collection, Ninja Gaiden no Virtual Console e Contra – bem eu tenho Super Contra, também chamado Contra III – também no Virtual Console) e eu tenho tenras lembranças de infância envolvendo todos eles (e definitivamente não quero que Michael Bay toque em nenhum deles).  Só que tenho mais lembranças de controles jogados através da sala e no sofá, de gritos, choros e soluços do que de momentos felizes envolvendo eles. E eu me considero um jogador moderadamente bom… não sou um ás, mas tenho mais de duas décadas de experiência com o D-Pad e isso aumenta a minha angústia… pois imagino que muitas pessoas (eu tenho um monte de exemplos) tem menos habilidade, paciência e traquejo do que eu. E estão jogando. Mas serão que estão curtindo… ou odiando.

As questão deste artigo nesse momento é o imenso revival, um momento retro, se me permite, que a indústria de videogame parece estar passando. Jogos como Ninja Gaiden (No XBOX, XBOX 360 e PS3), Megaman 9 (Wii, Xbox LA e PSN), Bit Trip (Wii), Bionic Commando (XBOX 360 e PS3) tem sido lançados contra um público que se acostumou com check points freqüentes, interface amigável, rotas simplificadas e níveis de dificuldades mais moderados. Recentemente em uma conversa com o Mahou e dois amigos mais novos ouvimos um deles dizer o quão difícil era Megaman X2 e eu e o Mahou explodimos em risos. Megaman X2? Difícil? Por Deus! Eu como Megaman X2 no café da manhã! Eu uso Megaman X2 de papel higiênico! Depois de terminar Megaman 2 (e Megaman 9 – que é difícil pacas) você encara qualquer Megaman! Só depois dos risos nos demos conta de como os jogos foram ficando mais fáceis e acessíveis com o tempo… e o advento do Wii e do DS (e seu público casual) acelerou essa curva. Os jogos passaram de chutadores de bundas que o desafiavam a parceiros de diversão que o convidam a explorar seus recursos e o carregam por mundos inesgotáveis de encanto e magia…. Eu já disse que não sou gay!

E com isso voltamos a pergunta inicial: Dificuldade diverte você? Você realmente se sente motivado em atravessar hordas de inimigos utilizando apenas uma pistola d´água e linguagem chula, lutando por arrancar cada vitória dos dentes da derrota, como o Mahou, ou você é como eu, que acredita que os games devem lhe dar um universo imersivo e tirar da sua frente todo o excesso de bagagem como chefões difíceis, hordas de inimigos que respawnam e seqüências intermináveis de abismos mortais (Sim Shinobi… eu estou olhando para você!)?  Por favor dê nos sua opinião!

Round 1! F I G H T!

Extra! Extra! Sky Crawlers vem voando para os Wiis americanos!

Segurem-se em suas cadeiras, pessoal, pois um game que nós nunca achamos que ia ver a luz do dia neste hemisfério está a caminho do nosso Wii. Se você nunca ouviu falar de Sky Crawlers não se sinta mal. O game saiu há pouco mais de um ano no Japão e é um clássico por lá, com gráficos majestosos, controle excepcional e desafio perfeito. Foi criado pelos mestres dos ares, o “Project Aces”, equipe de desenvolvimento responsável pelos Ace Combats da Namco.

Neste game, no entanto, você não será um piloto de guerra. Em um mundo que finalmente atingiu a paz, a guerra virou uma espécie de de esporte entre grandes empresas. Nessa briga, você será um “novato”, que participa de missões arriscadas em busca de dinheiro para melhorar sua aeronave e até mesmo comprar novas armas e aviões.

O jogo dura boas dez horas, e tem ótimo multiplayer online. Estamos salivando também!

the-sky-crawlers-20090703084548933 the-sky-crawlers-20090703084903915_640w

Nintendo compra programa de TV britânico

Quando é que se tem certeza que uma empresa de videogame está realmente ganhando dinheiro? Quando ela compra um show de TV. E isso aconteceu nas terras da Rainha, onde a Big N comprou um programa de TV chamado “Britain’s Best Brain”.

Como informado pela MCV, aparentemente o programa trará dicas e falará sobre usos dos produtos Nintendo, com ênfase no DS e DSi, que irá ao ar em outubro. Lembrando que no Japão a Nintendo é dona de 32% da NHK, a “Rede Globo” japonesa.

Será que a Big N quer avançar para TVs do mundo todo? Esperamos que sim.

nintendo_logo_300dpi

Sega não desiste de “Hardcores” do Wii – Valeu Sega!

Sega! Ah… a velha Sega! A monumental Sega! A Cega Sega (tem que ser cego para lançar os últimos Sonics). A Sega não se deixou levar pelo índice de attachment dos jogos classificados como “Mature” (consumidores acima de 16 anos) e mostra que deseja permanecer na posição de produtora de conteúdo hardcore para o Wii. Nas palavras de seu Diretor de Mídia Europeu, Gary Dunn: “You have to push boundaries and explore. I think whilst MadWorld commercially didn’t sell what we were expecting I wouldn’t say it’s game over for mature Wii titles from Sega” (Você tem que empurrar os limites e explorar. Eu acho que embora MadWorld não tenha vendido o que esperávamos isso seja o fim dos jogos “mature” da Sega no Wii). E prosseguiu: “We’re taking a look at the resources we have now. We’ve got money to invest in development, we’re just considering where to invest it next” (Nós estamos vendo os recursos que temos agora. Nós temos dinheiro para investir em desenvolvimento e estamos considerando onde investi-lo agora, – numa tradução bem livre) e, embora as vendas iniciais de “The House of the Dead: Overkill” tenham sido modestas, elas alcançaram ótimos patamares em poucos meses, fato que o levou a concluir a entrevista ao site 1Up com a seguinte afirmação: “House of the Dead: Overkill was quite a profitable title for us,” (House of the Dead: Overkill foi um título muito lucrativo para nós).

É isso aí, Sega! Agora queremos Bayoneta e Skies of Arcadia 2 para Wii!!!

mad-world-1-wii_008 bayonetta

Sem Onimusha, mas com algo bem legal a caminho!

A batalha de Sekigahara, que ocorreu no Japão em 1600, é o cenário do jogo que todos, inclusive nós no Mini, torcíamos para ser um novo Onimusha. Mas não é! Ainda assim é legal pacas! Se preparem para o próximo Sengoku Basara, que conhecemos aqui no ocidente como Devil Kings. O primeiro saiu no PS2 e o segundo no PSP, mas agora o game deve atingir as duas plataformas da Sony, o 360 e o Wii! E nós vamos ganhar uma versão com Wii Motion Plus!!!

Os detalhes ainda são pequenos e esparsos,mas pode-se esperar a qualidade Capcom nesse título!

Estamos salivando…

basara3